Início Destaques

Roupa de cama portuguesa com valor acrescentado

Portugal foi, em 2018, o segundo maior produtor e exportador de roupa de cama de algodão da União Europeia mas, mais significativamente, foi o país que exportou este tipo de produto ao preço mais alto. As conclusões do estudo da IndexBox apontam, contudo, para uma possível descida do consumo nos próximos sete anos.

Segundo o estudo UE – Roupa de cama de algodão – análise, previsões, tamanho, tendências e compreensão do mercado, da Indexbox, o volume de negócios da roupa de cama de algodão – excluem-se aqui os artigos em malha – na União Europeia ficou estimado em 10,4 mil milhões de dólares (9,43 mil milhões de euros) em 2018, um aumento de 12% em termos anuais. Este valor reflete o volume de negócios conjunto de produtores e importadores (excluindo custos logísticos, de marketing de retalho e as margens de retalhistas, que são incluídos no preço final ao consumidor).

Durante o período em análise, entre 2007 e 2018, o consumo de roupa de cama de algodão deu sinais de uma forte expansão, com a taxa de crescimento mais proeminente a ser registada em 2017, com um aumento de 35% face ao ano anterior. O mercado de roupa de cama em algodão atingiu, contudo, o seu valor mais alto em 2018 e «deverá manter um crescimento sustentado no futuro próximo», aponta a IndexBox.

Os países com maiores volumes de consumo de roupa de cama em algodão em 2018 foram Itália (50 mil toneladas), Alemanha (46 mil toneladas) e França (45 mil toneladas), que em conjunto representam 53% do consumo total. Estes países foram seguidos, respetivamente, pelo Reino Unido, Espanha, Holanda, Suécia, Áustria, Portugal, Bélgica, Grécia e Dinamarca, que em conjunto representaram mais 37%.

De 2007 a 2018, a taxa de crescimento mais notável em termos de consumo de roupa de cama de algodão, entre os países mais consumidores, foi atingida na Áustria, enquanto os outros líderes experienciaram taxas de crescimento mais modestas.

Em termos de valor, o Reino Unido, com 7,4 mil milhões de dólares, liderou o mercado. A segunda posição no ranking foi ocupada pela França (819 milhões de dólares) e a terceira posição pela Alemanha.

Os países com os níveis mais elevados de consumo per capita de roupa de cama de algodão em 2018 foram a Áustria (970 kg por 1.000 pessoas), Suécia (882 kg por 1.000 pessoas) e Itália (836 kg por 1.000 pessoas).

Em termos de consumo, o mercado de roupa de cama de algodão deverá sentir uma tendência descendente no consumo nos próximos sete anos. A performance do mercado deverá baixar ligeiramente, com uma taxa composta anual de crescimento de -0,6% entre 2018 e 2025, que deverá fazer baixar o mercado para 253 mil toneladas até ao final de 2025.

Produção diminui

Em 2018, a produção de roupa de cama em algodão na União Europeia ascendeu a 92 mil toneladas, tendo baixado 6,1% em comparação com o ano anterior. Em geral, a produção de roupa de cama de algodão continua a dar sinais de uma descida moderada. O ritmo de crescimento foi mais acentuado em 2016, quando o volume de produção aumentou 9,2% em termos anuais. Ao longo do período em análise, a produção de roupa de cama de algodão atingiu o valor máximo de 127 mil toneladas em 2007 – de 2008 a 2018, a produção manteve-se num valor ligeiramente mais baixo.

Em termos de valor, a produção de roupa de cama de algodão totalizou 957 milhões de dólares em 2018, estimados em preços de exportação. No período em análise, a produção de roupa de cama de algodão registou uma quebra drástica. O ritmo de crescimento foi mais rápido em 2010, com um aumento de 3,3% em termos anuais e a produção de roupa de cama de algodão atingiu o seu valor máximo em 1,5 mil milhões de dólares em 2007.

Os países com os maiores volumes de produção de roupa de cama em algodão em 2018 foram Itália (27 mil toneladas), Portugal (25 mil toneladas) e Alemanha (13 mil toneladas), que em conjunto representam 70% da produção. Estes países foram seguidos pela Polónia, Espanha, França e Roménia, que em conjunto representaram mais 21%.

Exportações em crescimento

Em 2018, as exportações de roupa de cama de algodão da União Europeia atingiram 147 mil toneladas, tendo aumentado 7,9% face ao ano anterior. O volume total exportado aumentou a uma taxa anual de 1,6% entre 2007 e 2018. Contudo, a tendência indica algumas flutuações. A taxa de crescimento mais notável foi registada em 2013, quando as exportações subiram 16% em termos anuais. O volume de exportações atingiu o pico em 2018 e deverá manter este crescimento no curto prazo.

Em termos de valor, a roupa de cama de algodão atingiu 1,6 mil milhões de dólares, segundo as estimativas da IndexBox, em 2018. O valor total das exportações aumentou a uma taxa média anual de 1,7% entre 2007 e 2018. A taxa de crescimento mais saliente foi registada em 2003, quando as exportações subiram 17% face ao ano anterior. No período em análise, as exportações atingiram o seu valor máximo em 2014, com 1,7 mil milhões de dólares, e entre 2015 e 2018 mantiveram um valor mais baixo.

Em 2018, a Alemanha (33 mil toneladas), seguida de Portugal (19 mil toneladas), Polónia (17 mil toneladas), Bélgica (16 mil toneladas), Holanda (15 mil toneladas), Itália (7,9 mil toneladas), França (7,8 mil toneladas) e Espanha (7,4 mil toneladas) foram os principais exportadores de roupa de cama de algodão, representando, em conjunto, 84% das exportações.

Em termos de valor, os maiores mercados de exportação de roupa de cama em algodão na União Europeia foram a Alemanha (357 milhões de dólares), Portugal (300 milhões de dólares) e Bélgica (146 milhões de dólares), representando 49% das exportações totais.

Em termos de preços, em 2018 o valor para uma tonelada de roupa de cama de algodão na União Europeia manteve-se em 11.134 dólares. No geral, o preço continua a indicar uma relativa tendência de estabilização. O ritmo de subida foi mais pronunciado em 2011, com um aumento de 16% em termos anos. Nesse ano, os preços de exportação para a roupa de cama de algodão atingiram o valor mais alto de 13.796 dólares por tonelada.

De acordo com a IndexBox, há diferenças significativas nos preços médios entre os principais países exportadores. Em 2018, o país com preços mais elevados foi Portugal (15.547 dólares por tonelada), enquanto a Polónia (7.852 dólares por tonelada) teve os preços mais baixos.

Importações também sobem

As importações chegaram a 319 mil toneladas em 2018, tendo aumentado 3,3% face ao ano anterior. O volume total importado subiu a uma taxa anual de 1,9% entre 2007 e 2018. A taxa de crescimento mais elevada registou-se em 2013, com um aumento de 17% em termos anuais.

Em termos de valor, as importações de roupa de cama de algodão totalizaram 2,8 mil milhões de dólares em 2018, segundo as estimativas da IndexBox. O valor total das importações aumentou a uma taxa anual de 2,1% entre 2007 e 2018, com uma tendência consistente. A taxa de crescimento mais elevada foi observada em 2011, quando as importações subiram 22% em termos anuais – nesse ano, as importações de roupa de cama de algodão atingiram o valor máximo de 3 mil milhões de dólares.

Entre os países que mais importaram estão a Alemanha (67 mil toneladas), a França (47 mil toneladas), o Reino Unido (32 mil toneladas), Itália (31 mil toneladas), Holanda (27 mil toneladas) e Bélgica (24 mil toneladas) – em conjunto, estes países representaram 71% das importações.

Em termos de valor, os principais mercados de importação da União Europeia foram a Alemanha (611 milhões de dólares), França (475 milhões de dólares) e o Reino Unido (286 milhões de dólares).