Início Notícias Têxtil

Seca sem pezinhos de lã

O tempo seco está a reduzir os pastos disponíveis e a afetar os rebanhos e, consequentemente, a produção de lã australiana. Os efeitos fazem-se sentir não só nas quantidades mas também na qualidade, nomeadamente no diâmetro e comprimento da fibra.

O Comité Australiano de Previsão de Produção de Lã (AWPFC na sigla original) reforçou o alerta de maio de que as condições de seca em grande parte da Austrália deverão levar a uma queda de 12,1% na produção de tosquiada em 2018/2019. No seu mais recente relatório, divulgado em agosto, a AWPFC aponta para 300 milhões de quilogramas de lã em bruto, um declínio face à época 2017/2018.

O presidente interino do conselho de administração do Comité, Chris Wilcox, afirma que «as condições sazonais em regiões fulcrais na produção de lã de Victoria ocidental e leste da Austrália do Sul e da Austrália Ocidental são razoáveis. Contudo, partes significativas de Nova Gales do Sul, Queensland, leste de Victoria e as regiões de pastoreio da Austrália do Sul continuam a experienciar condições de seca».

O Comité sublinha que um fator crucial que está a limitar a recuperação na produção de lã é o número de ovelhas para tosquia, depois das elevadas taxas de abate de ovelhas adultas em 2018/2019 e os números baixos de novas ovelhas. «Os números de ovelhas e carneiros referidos pelo gabinete australiano de estatística no final de junho de 2019 mostram um aumento de 16% no abate de ovelhas em comparação com o mesmo período de um ano antes. Isto tem sido parcialmente compensado pelo menor número de exportação de animais vivos. No entanto, as condições sazonais têm continuado a afetar negativamente a disponibilidade dos pastos e a redução do fornecimento de feno e grãos levaram muitos produtores a tomarem a difícil decisão de reduzir o número de ovelhas nas quintas. A disponibilidade de água é também um problema em algumas áreas, nomeadamente em Nova Gales do Sul e Queensland», explica Wilcox.

Qualidade também afetada

Entretanto, a primeira previsão da AWPFC na lã de tosquia para a época 2019/2020 é de 285 milhões de quilos em bruto, um declínio de 4,5% face a 2018/2019. O Comité refere ainda que o impacto da seca vai continuar na nova estação devido, em parte, a baixas percentagens de gravidezes das ovelhas em 2018/2019.

«O fim seco para a época 2018/2019 em algumas áreas resultou em mais reduções em parâmetros de teste cruciais desde abril. A produção média terminou a estação em 63,1%, menos 1,5% do que em 2017/2018, enquanto o diâmetro médio da fibra nacional desceu 0,5 microns, para 20,5 microns, e o comprimento da fibra baixou 2,2 mm. Os valores finais de época destes três parâmetros-chave estão próximos ou mesmo nos níveis mais baixos desde 2000/2001. A distribuição do diâmetro da fibra da lã australiana apresentou um aumento significativo no peso da lã testada de 18,5 microns e mais fina e uma contração mais acentuada no volume das lãs de 18,6 e mais microns», conclui o presidente interino do AWPFC.