Início Arquivo

Sem meias medidas

Jude Law não usa. Nem Kanye West. Nem Roger Moore, sem falar de todos os homens nas passerelles da primavera-verão. Não usar meias tornou-se praticamente uma tendência universal, que atravessa gerações. «Andar sem meias no verão, mesmo com calçado formal, é um visual cada vez mais comum para os homens», afirma Nicholas Lew, um ex-advogado do centro de Londres e criador da marca de meias para homem Nicholas Life. «Dá um ar atualizado de elegância fácil, sem mencionar que é uma espécie de rebeldia contra os códigos clássicos», refere. E, com as temperaturas a subir, promete alguma frescura. Mas nem todos consideram esta nova moda apropriada. Não usar meias com sapatos de vela ou loafers tem sido aceite no estilo “betinho” há algum tempo, mas esta tendência de pés a nu com calçado mais clássico pode não ser muito fácil de aplicar no dia a dia. Sobretudo para quem trabalho num escritório. «Não usar meias com um fato? Isso é simplesmente errado – pelo menos no trabalho», considera Michael Gregory, analista no City. E não está sozinho nesta avaliação. «Não vale a pena o gozo dos colegas de trabalho», afirma o corretor Isaac Richards. «Eles perguntariam se não me esqueci de nada ou fariam piadas sobre como não as consegui encontrar com a pressa de sair depois de passar uma noite com alguém inapropriado», refere. Para além do código de etiqueta, há uma questão de funcionalidade. «Pés desconfortáveis contra couro duro no frio de um escritório com ar condicionado?», questiona Kashif Khan, gestor de risco. «Não, não é prático», responde. Thom Browne, o designer americano que é tido como o precursor desta tendência de não usar meias com fatos, tem uma solução secreta para este problema: «apesar do que as pessoas pensam, eu uso meias muito curtas, como as que se usam com ténis de corrida», revela. «E quando a temperatura baixa muito, volto a usar meias até ao joelho», sublinha. Mas para alguns, mesmo as meias muito curtas não são aceitáveis com um fato. «Para mim, um cavalheiro usa sempre meias com fatos e vestuário formal», defende Luca Rubinacci, a terceira geração dos alfaiates napolitanos Rubinacci e um dos 10 homens mais bem vestidos de 2013, segundo a revista britânica GQ. Contudo, acrescenta, «pessoalmente já não uso meias quando visto um casaco e calças ou um fato desportivo como um Solaro». O contexto parece ser tudo. O visual quase que grita “tempo de relaxar”, afinal de contas. Ou, dito de outra forma, “não estou a trabalhar agora”. Como resultado, é aceitável esquecer as meias quando não se está a trabalhar: em férias, num resort paradisíaco, num domingo a visitar amigos ou num passeio no verão. Ou, controversamente, naquelas partes do mundo onde o visual se tornou universal quando o tempo quente chega: na costa leste dos EUA ou em Itália, onde é quase obrigatório não usar meias, independentemente da idade. Mas aí, o estilo do sapato é importante. «É muito mediterrânico usar loafers sem meias. Foi assim que crescemos», justifica Stefano Tonchi, chefe de redação da W Magazine, nascido em Florença. «Em Itália, toda a gente cresceu a usar loafers sem meias e acho que começaram a experimentar com outro tipo de sapatos. Mas não o recomendo a não ser com loafers, que são feitos de forma a calçar e descalçar durante o verão. Com outro tipo de sapatos, para mim, é muito arriscado», aconselha. Lucca Rubinacci acredita que a melhor altura para andar sem meias é antes e depois do pico do verão, quando o tempo não está assim tão quente e o pé pode manter-se fresco dentro do sapato. «Em agosto, quando está terrivelmente quente, começo novamente a usar meias», revela. «Prefiro as meias de lã mais finas Filo di Scozia. São muito leves e confortáveis», aponta. «Acho que os sapatos sem meias são muito desconfortáveis», considera o ícone de design de calçado Manolo Blahnik. «E andar sem meias com sapatos elegantes como brogues e Oxfords é um grande não. Mas loafers ou sapatos de vela está tudo bem. Na verdade adoro meias. Uso-as sempre, não interessa onde estou, a não ser que esteja a usar sandálias ou alparcatas, o que é raro», afirma. Para Blahnik, as meias oferecem outra forma de se autoexprimir. «Adoro brincar com a cor, acrescentando meias coloridas num coordenado», revela, e admite ter uma enorme coleção. «Atualmente, as minhas favoritas são as de algodão de Paul Smith», indica. Nicholas Lew, cuja marca oferece meias com misturas de algodão em rosa pálido ou às riscas e com padrões e ainda meias com mistura seda/caxemira em amarelo, concorda com Blahnik. «Um visual menos controverso do que sem meias, que não vai deixá-lo mal à noite, é usar um par de meias numa cor contrastante ou pastel», acredita. «São aceitavelmente diferentes sem dar muito nas vistas», conclui.