Início Arquivo

Sem rivais à altura

O relatório “Activewear Survey – Dominant Players Gain Ground in Shopper Preference”, desenvolvido pelo Cowen Group, revela que a quota da Nike nas escolhas de primeira preferência em activewear aumentou para 42% em janeiro, a partir dos 38% verificados um ano antes. A participação da Under Armour cresceu para 13% a partir dos 11% registados em janeiro de 2013. Por outro lado, a Adidas perdeu terreno, enquanto a Reebok permaneceu “estável”, o que provavelmente reflete algum benefício resultante da filiação da marca com a CrossFit, de acordo com o relatório. Entre os homens, a quota da Nike cresceu de 38% para 44%, com a preferência pela marca a ser ainda mais forte entre os consumidores mais jovens, especialmente homens com idade entre os 18 e 34 anos, onde a quota aumentou para 56%, a partir dos 47% verificados em janeiro do ano passado. «Esta métrica parece-nos extremamente importante, na medida em que os membros deste grupo estão provavelmente entre os mais importantes compradores de vestuário de desporto», observaram os autores do relatório. A Under Armour tem ganho peso junto do género feminino, com a sua quota de preferência nesta categoria a aumentar de 10% para 12%. Entre as mulheres com idade entre os 18 e os 34 anos, a preferência aumentou drasticamente em termos anuais para os 13%, com base nos 9% verificados um ano antes. E isto considerando que a empresa ainda não revelou a sua nova estratégia para as mulheres. No entanto, o melhor desempenho da Under Armour e da Nike parece ser à custa da grande rival Adidas, da Hanes e de marcas mais pequenas como a Faded Glory e a Athleta, que em janeiro registaram quebras de preferência. O relatório revela ainda que a preferência pela C9 da Champion permaneceu «estável», enquanto a Athleta parece ter um reconhecimento «muito limitado» entre os consumidores. Indo mais fundo nas marcas em análise, o número de entrevistados que indicaram como marca preferida de vestuário desportivo a canadiana Lululemon Athletica – direcionada para os praticantes de ioga – era tão pequeno que levanta «questões de relevância estatística», sublinha o relatório. De facto, em janeiro de 2014, dos 2.500 entrevistados, apenas 14 mulheres e três homens escolheram a Lululemon como a sua marca preferida de vestuário desportivo. O relatório refere que após atingir um pico como marca de primeira escolha em julho do ano passado, a Lululemon decaiu, ficando a um nível bastante estável desde essa altura, sendo esta trajetória mais evidente no segmento das mulheres com idade entre os 18 e os 34 anos. A Lululemon tem estado envolvida em queixas sobre a qualidade dos seus produtos há quase um ano e em janeiro reduziu os lucros e as perspetivas de vendas do quarto trimestre, devido às tendências de declínio no tráfego e nas receitas.