Início Arquivo

Sob o signo da inovação

Pioneira nos têxteis técnicos em Portugal, a LMA continua a fomentar o desenvolvimento de tecidos e malhas tecnologicamente avançados. Resultado: mais novidades de peso para a estação Primavera/Verão 2008. A primeira é uma malha produzida a partir de fibra oca de polipropileno, que confere uma efectiva gestão da humidade e uma leveza extrema, além de apresentar propriedades termo-reguladoras, anti-bacterianas, de resistência à sujidade, de cuidado fácil e de ser 100% reciclável. «Trata-se uma malha excepcional para o campo desportivo, que pode marcar a diferença entre ganhar e perder», sublinha o administrador da LMA, Leandro Araújo. «Mas é também ideal para roupa interior, activewear, roupa de banho e vestuário hospitalar». A segunda novidade apresentada pela empresa é um tecido obtido pelo processo "crinck", que confere um enrugado natural ao mesmo. Até à data, para obter este efeito, os produtores eram obrigados a incorporar um fio de metal no tecido. A produção deste tecido com memória de forma implicou a instalação de uma nova linha de produção na unidade fabril. «Estão já na forja novidades de choque para o Outono/Inverno 2008-2009», anuncia Leandro Araújo. Esta cultura de inovação permanente produz hoje os seus frutos. Com efeito, a marca Alitecno da LMA foi a recordista nacional do principal fórum de tendências da mais importante feira do sector dos tecidos e malhas, a Première Vision (PV), que decorreu em Paris no passado mês de Fevereiro. As três amostras distinguidas foram uma malha tridimensional para aplicações técnicas (vestuário, calçado, automóvel, etc.), um tecido com efeito bicolor obtido estruturalmente e uma malha laminada com propriedades de alta performance (impermeável, respirável e corta-vento).«O balanço desta participação na PV é muito positivo, já que efectuámos uma média de 35 novos contactos diários, procedentes de uma grande diversidade de países: Holanda, Rússia, Itália e vários países da Europa de Leste, entre outros», afirma o administrador da LMA. «No mercado francês estamos já bem implementados, na medida em que temos como clientes as duas maiores marcas».Com uma posição dominante no mercado europeu, a empresas partiu há pouco mais de dois anos à conquista da China, tendo usado como porta de entrada a feira Intertextile Shanghai, organizada pela Messe Frankfurt e que de há 3 anos a esta parte tem contado com o apoio da Associação Selectiva Moda à participação nacional. O sucesso esteve ao rendez-vous, e hoje este mercado representa já 10% do seu volume de negócios.Maioritariamente vocacionada para a exportação (70%) e para a produção de malhas (90%), a empresa não coloca todavia a hipótese da deslocalização. «Não deslocalizamos a LMA para lado nenhum», declara peremptoriamente o seu administrador. «Isso não nos impede, todavia, de actuar de forma global, partindo sempre de Portugal. E não é tão complicado nem tão dispendioso como se poderia pensar».