Início Arquivo

Sobem, sobem, vendas sobem

A Hennes & Mauritz registou um aumento de dois dígitos nas vendas do primeiro trimestre, apesar das dificuldades do ambiente de retalho. Incluindo IVA, as vendas subiram 13%, para 37,52 mil milhões de coroas suecas (4,24 mil milhões de euros) nos três meses até 28 de fevereiro, em comparação com os 33,15 mil milhões de coroas suecas no mesmo período do ano passado. Em moeda local, as vendas aumentaram 12% em termos anuais e, excluindo IVA, atingiram os 32,1 mil milhões de coroas suecas, em comparação com os 28,39 mil milhões de coroas suecas do período homólogo. A retalhista sueca, que opera 3.192 lojas sob as marcas H&M, Cos, Monki, Weekday, Cheap Monday e & Other Stories, indicou que as vendas de fevereiro, incluindo IVA, aumentaram 11% em moeda local. Richard Chamberlain, analista do Bank of America Merrill Lynch, considera que, embora as vendas (incluindo IVA) do grupo no primeiro trimestre tenham ficado 1% abaixo das suas estimativas, a tendência positiva nas vendas comparáveis continua, prevendo que as vendas comparáveis tenham subido 1% a 2%. Chamberlain sublinhou, no entanto, que tem havido «alguma preocupação» com o impacto do aumento dos preços do algodão nos retalhistas de vestuário, já que estes atingiram o máximo do último ano, embora ainda se mantenham abaixo do pico de 2010/2011. «Se os preços do algodão continuarem a subir, isso pode ser mais negativo para os retalhistas de preços mais baixos como a H&M, já que as matérias-primas tendem a representar uma proporção maior do custo de uma peça de vestuário. São, contudo, apenas um elemento do preço (20% a 40% do custo dos artigos à venda) e tende a ser diluído na cadeia de aprovisionamento antes de afetarem retalhistas como a H&M», explicou o analista do Bank of America Merrill Lynch. A H&M espera uma «melhor tendência de vendas» de 2014, acrescentou Chamberlain, em parte impulsionada por uma recuperação do comércio electrónico, estabilidade para melhorar as margens brutas, aproveitamento dos custos operacionais resultantes do crescimento das vendas comparáveis e ganhos por ação nos mercados mundiais de vestuário. As vendas a retalho devem inclusive acelerar na primavera, acompanhando o aumento das temperaturas e com a melhoria da situação financeira das famílias nos EUA a acelerar a procura. Os dados mais recentes mostram que as vendas a retalho no mercado norte-americano recuperaram em fevereiro, subindo 0,3% no mês, após dois meses consecutivos de declínios. A recuperação na Europa está também em curso e deve ajudar a incentivar a procura nos principais mercados da H&M.