Início Notícias Marcas

Swimwear mergulha no verão

Espera-se que o mercado mundial de swimwear ultrapasse a barreira dos 28 mil milhões de dólares (aproximadamente 25 mil milhões de euros) até 2019 e, por isso, surgem novas marcas a cada semana, procurando capitalizar com esta febre da moda pensada para areias cristalinas e águas salgadas.

Com as viagens cada vez mais acessíveis a mais bolsas, os millennials a preferirem gastar dinheiro em experiências (como viagens) e rede sociais como o Instagram a inspirarem os consumidores a explorar destinos paradisíacos, a busca pelo fato de banho ou biquíni de sonho já não esgota nos meses de verão e mantém-se relevante todo o ano. Por isso, as tendências e marcas têm-se multiplicado.

Dito isto, são muitas as opções de swimwear e nem todas as marcas vão ser capazes de sobreviver. Para ter sucesso, o modelo de negócios precisa de ser uma combinação perfeita de inovação, preço atrativo, marketing aguerrido, uma boa estratégia de retalho e um branding único.

Eis as jovens marcas que reúnem todos estes ingredientes, de acordo com o portal de moda Fashionista.

Kisuii

A viver em Nova Iorque, Leora Elituv lançou a Kisuii, no final do ano passado, enquanto marca de resortwear que funde pronto-a-vestir e beachwear. «As pessoas estão a ir para a praia com a vontade de ali continuarem o seu dia», explica a designer sobre a mudança de hábitos de consumo que influenciou o nascimento da marca. «Talvez se mudem antes do jantar ou de sair, mas durante o dia apenas adicionam outra camada ao beachwear», acrescenta.

A Barneys vendeu exclusivamente a primeira coleção da marca e a qualidade é a chave do sucesso da Kisuii. Cada uma das peças é fabricada com tecidos italianos e confecionada em Hong Kong e noutros destinos de aprovisionamento do grupo Gottex, no qual o pai de Elituv está envolvido. Os fatos de banho são a espinha dorsal do negócio.

Andie

Apresentada apenas no mês passado, a Andie é a mais recente marca de swimwear direta ao consumidor. Apostada num modelo de negócio voltado para um nicho de consumidoras, a Andie oferece apenas três modelos de fatos de banho. Numa estratégia e percurso semelhantes ao de Elituv, a cofundadora e CEO da marca, Melanie Travis, procurou responder à falta de peças de qualidade, acessíveis e minimalistas que combinassem com os seus hábitos de compra. Ao lado da cofundadora e CMO Tess De Paula, ex-Lancôme, Travis começou a erguer uma empresa que preenchesse essa lacuna, começando por inquirir mais de 1.000 mulheres sobre as suas necessidades e frustrações quando se tratava de swimwear.

«99% das mulheres inquiridas preferiam ir ao dentista do que comprar swimwear», revela De Paula. As clientes da Andie deixam um depósito de 19 dólares e recebem em casa uma caixa com os três modelos para experimentarem. Posteriormente, podem devolver os modelos que não lhes agradaram.

Matteau

Matteau

As irmãs Ilona Hamer e Peta Heinsen lançaram a marca de swimwear de luxo Matteau na temporada Resort 2016, desenhada entre Nova Iorque e Sydney. Quando se trata de moda praia minimalista – que desfrutam de particular popularidade este verão –, esta marca é uma das mais requisitadas. «A mulher Matteau não está realmente preocupada com as tendências ou com o que está a acontecer na moda», afirma Hamer. «Está preocupada com o estilo, os detalhes e a aquisição de peças que a ajudem a contar a sua história e a fazer sentir-se confiante», explica. Como bónus, o fitting é uma prioridade da marca e cada um dos estilos é pensado para diferentes tamanhos.

Ephemera

Ephemera

Nicole Banning lançou a Ephemera em 2014, em Paris, antes de se mudar para a Austrália. Banning aborda o swimwear com um ponto de vista de pronto-a-vestir, aplicando às peças minimalistas da coleção os mesmos padrões do vestuário high end. Seguindo esta estratégia, as peças resultantes ganham uma dimensão de intemporalidade.

Roxana Salehoun

A ex-aluna da Parsons School of Design, Roxana Salehoun lançou a marca epónima de swimwear com a plataforma online Moda Operandi, em 2014, depois de uma passagem pelos corredores da Gap. A marca ganhou força recentemente, angariando mais revendedores e alargando a sua oferta. As peças são inspiradas por silhuetas clássicas e femininas, têm apontamentos divertidos e mostram a qualidade da indústria têxtil europeia, onde a marca se aprovisiona.

Sidway

Los Angeles está a começar a acompanhar a Austrália como incubadora de marcas emergentes de swimwear. Uma das últimas marcas a surgir na cidade é a Sidway, que arrancou em fevereiro passado com uma pequena oferta de biquínis e fatos de banho inspirados nos usados pelas supermodelos dos anos 1990.

As silhuetas, desenhadas por Sarah Sidway Godshaw, são sensuais, mas elegantes e moldam o corpo graças à sua elevada percentagem de elastano.

Godshaw já desenhou swimwear para marcas como a Puma, Nanette Lepore, Bikini Lab e Rampage, entre outras. Mais recentemente, a designer ajudou a Nasty Gal a lançar a marca própria de swimwear.

«Aprendi muito sobre swimwear direto ao consumidor, algo que me fez sentir pronta para me aventurar a solo», reconhece.

Bruna Malucelli

A designer brasileira Bruna Malucelli apareceu no radar dos especialistas com a sua marca inclusiva de swimwear. A marca epónima de Malucelli atraiu também os media especializados pela forte aposta em peças customizadas, inspiradas nos anos 1990, nas quais as clientes podem estampar até nove letras.