Início Arquivo

Tailândia aposta na qualidade

Os têxteis e vestuÁrio serão uma das cinco principais exportações da Tailândia em 2012, graças às mudanças nas tendências de mercado, que favorecem a qualidade de produção e a moda do vestuÁrio tailandês. Esta é pelo menos a convicção dos exportadores e responsÁveis governamentais do país. Actualmente, os têxteis e vestuÁrio são o sétimo maior sector exportador do país, logo a seguir aos processadores automÁticos de dados, componentes e acessórios para automóveis, combustíveis refinados, pedras preciosas e joalharia, borracha e circuitos eléctricos. As exportações têxteis e de vestuÁrio atingiram os 6,97 mil milhões de dólares no ano passado, e a Associação Tailandesa de Produtores de VestuÁrio espera que esse número aumente 10%, para os 7,67 mil milhões de dólares, este ano. O presidente da associação, Dej Pathanasethpong, afirma que as exportações de vestuÁrio têm um futuro promissor, devido às melhores condições que facilitam o crescimento das exportações. Estamos confiantes num futuro mais risonho, apesar de alguns factores negativos que ainda afectam o crescimento das exportações, como a falta de mão-de-obra», considera. A China, o maior exportador mundial de têxteis e vestuÁrio, enfrenta o aumento dos custos de produção. As suas exportações desceram 11% este ano, devido às restrições impostas pelas quotas, à sua baixa qualidade, ao aumento do preço das exportações e à mudança dos compradores europeus para outros mercados asiÁticos, sobretudo a Tailândia, explica Dej. O valor global do comércio de têxteis e vestuÁrio deve atingir o bilião de dólares em 2012. Desses, 65%, ou 650 mil milhões, irão para os países asiÁticos. O reforço da base de produtores integrados de têxteis, vestuÁrio e artigos de moda da Tailândia vai gerar uma quota maior deste mercado, explicou. Hoje em dia, a Tailândia é o 11.º exportador mundial de vestuÁrio e a sua quota de mercado deve aumentar gradualmente nos próximos cinco anos. Até o Japão, que é um grande importador de vestuÁrio da China, estÁ a mudar a sua atenção para a Tailândia, porque sabe da qualidade dos produtos tailandeses, revela a associação. Dej afirma que as exportações de têxteis e vestuÁrio devem aumentar 15% nos próximos anos, porque os produtores locais estão mais competitivos, desenvolvendo vestuÁrio com maior valor acrescentado e planeando a produção de artigos de moda e de marca para servir a procura internacional. O director-geral do Departamento de Promoção das Exportações, Rachane Potjanasuntorn afirma que o governo estÁ a apoiar os comerciantes locais de vestuÁrio e artigos em pele com a organização de feiras internacionais de comércio para atrair compradores estrangeiros, como foi o caso da Bangkok International Fashion Fair e da Bangkok International Leather Fair 2008, que tiveram lugar em Agosto na capital tailandesa. O presidente da Associação Tailandesa de Artigos em Pele, Dhavadh Chiu, revelou que também os produtores de artigos em pele esperam melhores condições este ano e no futuro, devido à sua estratégia de se focarem na qualidade em vez de tentarem competir com os artigos de baixo preço da China. As exportações de artigos em pele devem atingir o valor de 2,9 mil milhões de dólares em 2012, um aumento considerÁvel em relação aos 1,8 mil milhões deste ano. Dhavadh afirma que os produtores de artigos em pele da Tailândia estão inclusive a observar a ItÁlia, jÁ que este é considerado um bom mercado para desenvolver nomes de marca para produtos de qualidade. Para isso, a associação e o Departamento de Promoção das Exportações vão enviar uma equipa de designers locais a ItÁlia para aprenderem como desenvolver com sucesso marcas de elevada qualidade com base no exemplo de produtores bem conhecidos, incluindo a Ferragamo e a Gucci.