Início Arquivo

Tecidos protectores dominam na TTNA – Parte 2

Produtores de fibras adoptam uma postura técnica 

Os produtores de fibras estiveram em peso, com virtualmente cada empresa com um produto tendo aplicações técnicas no activo. Algumas, como a Zoltek, estiveram entre as que tiveram osstands mais movimentados da feira. A fibra Pyron da Zoltek apresenta uma miríade de aplicações ignífugas, incluindo vestuário de segurança. «Registámos uma grande procura das nossas fibras e tecidos Pyron, especialmente para aplicação em vestuário de protecção», declara James Betts, responsável de Marketing. «Este material oferece uma protecção anti-chama sem paralelo, além de uma elevada resistência ao calor». Segundo James Betts, as fibras Pyron são também duráveis e apresentam excelentes propriedades para o processamento têxtil. Em geral, estas fibras estão a ser utilizadas em vestuário de protecção assim como nos sectores do automóvel, aviação e em colchões.

 

Os representantes dosstands da Invista e da Kosa revelaram que a maior parte das questões colocadas prendiam-se com a transição da Invista para a Koch Industries, actual detentora de ambas as empresas. Enquanto as respostas a essas questões serão resolvidas com o tempo, a Invista, conhecida anteriormente como DuPont Textiles Interiores, foi outra das empresas a promover a tecnologia de protecção contra as manchas, uma versão melhorada da protecção de tecidos Teflon da DuPont utilizada em vestuário e têxteis-lar. Integrada na categoria da nanotecnologia, a Invista está a extender a sua protecção a líquidos quentes, óleos e sujidade. «Trata-se de um produto especialmente eficaz», sustenta Robert Kirkwood, vice-presidente da Invista Apparel.

 

Três dias de tributo aos têxteis técnicos 

A Cobb Galleria de Atlanta dará novamente as boas-vindas à quarta Techtextil North America agendada para 28 a 30 de Março de 2006. Os organizadores aludiram que o tema do próximo certame poderá estar ligado a um sector industrial específico. Apesar desta edição da feira não ter tido um tema oficial, este poderia bem ter sido os tecidos destinados à segurança, nomeadamente para aplicações militares e bombeiros.

 

O simpósio da TTNA constitui uma parte importante dos três dias de consagração dos têxteis técnicos, atraindo várias centenas de participantes vindos dos diferentes quadrantes. Desde o seu início em 2002, as conferências granjearam uma reputação como nexo para conhecer os últimos desenvolvimentos do sector. «As pessoas afluíram ao simpósio e à feira com questões e ideias, e com uma avidez de informação sobre os futuros caminhos da indústria», revela Bill Smith, um conceituado consultor em têxteis técnicos e organizador do popular simpósio que decorre em paralelo com a feira.

 

«Muitos vêem para observar as tendências, outros para estabelecer contactos para ideias que têm em relação a novos produtos e conceitos. A economia mundial está em mudança e os têxteis técnicos tornam muitas dessas mudanças possíveis. As empresas que avançam e permanecem avante dessas mudanças têm mais probabilidades de serem bem sucedidas, não só localmente como globalmente. Muitas pessoas aperceberam-se de tal, em especial as empresas líderes, e estão preparadas para enfrentar as mudanças».

Uma das mais curiosas sessões foi uma série de debates sobre têxteis inteligentes/interactivos, orientados especialmente para vestuário. «Embora o sector militar seja a força condutora subjacente a estes desenvolvimentos destinados ao combatente do futuro, muitas terão também aplicações civis», afirma Bill Smith. «Estamos a falar de têxteis que reagem a estímulos exteriores de forma a mudar de cor, regular a temperatura ou libertar medicamentos predeterminados ou outro tipo de emissões. Tais níveis de acção serão especialmente apropriadas para vestuário de desempenho activo, um segmento em crescimento na indústria».