Início Notícias Tendências

Ténis-meia assaltam o mercado

Chamados assim pelo seu aspeto, que se assemelha a uma meia com uma sola em borracha, os ténis-meia, cuja parte de cima é em malha, estão a conquistar não só os fashionistas nas grandes capitais da moda, mas também todos os players do mercado, das referências do sportswear às marcas de luxo como a Balenciaga.

No início, a tendência foi lançada pelas marcas de desporto, mas as insígnias de luxo não tardaram a aderir e a aprimorar a forma para se parecerem mais e mais com as meias tradicionais. No ciclo habitual da moda, as retalhistas seguiram o mesmo caminho e produziram as suas próprias versões e o mercado encheu-se com opções para todos os gostos e bolsas.

Os Speed Trainers da Balenciaga são um dos exemplos. Basicamente, o modelo consiste numa meia elástica até ao tornozelo com uma sola de borracha por baixo e custa entre 595 e 695 dólares (de 505 a 590 euros), dependendo da versão.

Adidas

Embora haja quem não seja propriamente fã deste tipo de calçado, há muitos consumidores que rendidos à simplicidade e ao conforto – o que foi suficiente para a Zara lançar um par de ténis-meia muito semelhante, onde a grande diferença é mesmo o preço (70 dólares).

«Basta olhar para o mercado e teria de usar a palavra “tremenda” para descrever» a ascensão deste modelo de calçado, afirma Brian Trunzo, editor sénior de menswear no WGSN. Embora sem dados concretos, Trunzo sublinha que «desde marcas de sportswear acessíveis, como a Nike e a Adidas, até às de gama alta, como a Balenciaga, praticamente todas têm uns ténis em malha na sua oferta».

Do desporto para a moda

Sublinhando o conforto deste tipo de calçado – uma espécie de calças de ioga para os pés, como descreve o editor sénior de menswear do WGSN –, os modelos atuais são uma derivação do processo iniciado pelas marcas de desporto Nike e Adidas há alguns anos.

A Nike fez experiências durante décadas com partes de cima em rede, macia, como o modelo Bermuda em 1979, Sock Racer em 1985, Presto em 2000 e Sock Dart em 2004. Foi, contudo, o lançamento dos Flyknit em 2012 que marcou o início da atual era de ténis com partes de cima em malha.

Nike

Estes ténis foram um grande marco tecnológico para a Nike, produzidos com um processo de tricotagem inovador que permite criar uma parte de cima leve e praticamente seamless. Os ténis Flyknit foram pensados como um produto de performance, mas o design acabou por ser o elemento que mais chamou a atenção.

«O design era algo completamente novo, com a inovadora estrutura em malha e cores originais que se tornaram apelativas para as massas», aponta Viktor Ekblom, stylist e diretor de produto na retalhista sueca Très Bien, citado pelo Complex. «Penso que a Nike percebeu rapidamente o potencial do estilo fora da arena do desporto e começou a focar muitos recursos nessa direção», revela.

Os primeiros modelos Flyknit não pareciam uma meia, mas nesse mesmo ano, a Nike lançou também os Roshe, uns ténis minimais consistindo apenas numa malha e numa sola.

A Adidas lançou os seus próprios ténis em malha, os Primeknit, pouco depois da Nike ter tornado público os seus Flyknit e, no ano seguinte, em colaboração com o designer Yohji Yamamoto, apresentou os Qasa.

A forma suave e elegante proliferou desde então. A Nike investiu em diferentes formas para os Flyknit, relançou os Presto novamente e, em 2015, os Sock Dart regressaram ao mercado – tendo sido considerados os melhores ténis do ano pela Complex.

A Adidas manteve-se igualmente na crista da tendência, ultrapassando até a Nike nesta área nos últimos dois anos. Vários dos novos ténis da marca germânica são ténis em malha, incluindo os NMD, que têm sido um sucesso junto dos fãs de ténis. Já os Yeezy 350, criados em colaboração com o rapper Kanye West, são os mais procurados.

Fendi

As grandes casas de moda ficaram um pouco para trás na tendência, refere Brian Trunzo, citado pelo Quartz, mas no ano passado todas parecem ter reparado nos ténis-meia.

«Chegaram online em dezembro de 2016, inundando outras coleções», explica Katie Smith, analista sénior de retalho na Edit, uma empresa de tecnologia para o retalho, dando como exemplos a Marni e a DKNY. Embora alguns designers, como Rick Owens, tivessem já usado anteriormente a silhueta da meia, muitos aderiram agora completamente ao look. Os da Fendi, por exemplo, «parecem-se muito com meias de desporto», destaca Smith.

Números promissores

Com base num algoritmo que segue os produtos de moda no comércio eletrónico, a Edit concluiu que, desde o primeiro trimestre deste ano até agora, o número de ténis-meia no mercado aumentou 220% entre os retalhistas de luxo.

Balenciaga

O preço médio entre os que chegaram no trimestre passado era de 410 dólares. Além disso, apenas 5% das novas chegadas em 2017 tiveram descontos superiores a 20%, segundo os dados da Edit, sugerindo um bom nível de vendas a preço completo.

Os da Balenciaga são, provavelmente, os mais populares, pelo menos no Instagram. A marca é atualmente líder da tendência, graças ao diretor criativo Demna Gvasalia, igualmente no leme da marca Vetements, e que pode estar já a adiantar a próxima tendência dos ténis, com o modelo Triple S: monstruosidades feias e pesadas.