Início Notícias Retalho

Terceiro confinamento abala retalho

As notícias não são as melhores para as retalhistas de moda. Depois do renascimento da esperança com o «maior programa de vacinação» da história, o pessimismo leva a melhor no Reino Unido com o aparecimento da nova variante do SARS-CoV-2 e um novo confinamento.

[©Sourcing Journal]

O primeiro-ministro britânico Boris Johnson anunciou um novo confinamento em vigor durante seis semanas, destacando a velocidade «frustrante e alarmante» com que a nova estirpe do vírus, identificada recentemente, já se infiltrou em 33 países, incluindo Portugal.

«Hoje, os chefes dos serviços médicos do Reino Unido aconselharam o país a passar para o nível 5 de alerta, o que significa que, no caso de não serem implementadas medidas, a capacidade do Serviço Nacional de Saúde poderá estar sobrecarregada em 21 dias», referiu o primeiro-ministro britânico ao revelar as novas restrições.

As retalhistas consideradas não essenciais já estavam em bloqueio temporário desde o dia 1 de janeiro, com 75% do território no nível 4. A previsão inicial apontava para a reabertura de algumas escolas, que fecharam portas provisoriamente, mas agora vão permanecer encerradas, pelo menos, até 5 de fevereiro.

Perante o cenário pintado, a Primark atualizou as previsões, aumentando as perdas de vendas dos 299,9 milhões de dólares (cerca de 243 milhões de euros) para os 886,1 milhões de dólares, com base no prejuízo de 586,2 milhões de dólares projetado no início de dezembro. Mesmo assim e com as medidas implementadas até ao próximo mês, as estimativas vão, de acordo com a retalhista de moda, provavelmente aumentar, tal como irá acontecer com muitos outros negócios afetados pela pandemia.

«O aumento contínuo de casos de Covid-19 durante o período do Natal é um motivo significativo de preocupação e entendemos a necessidade de ação do governo. As retalhistas têm cumprido o papel de tornar as lojas seguras, com gastos de centenas de milhões de libras em medidas de segurança contra o coronavírus, incluindo a implementação de normas de distanciamento social e o aumento dos procedimentos de limpeza», afirma Helen Dickinson, CEO do British Retail Consortium, citada pelo Sourcing Journal.

«As consequências destas últimas restrições – com o retalho não essencial fechado já por várias semanas – serão graves para muitas empresas que, uma vez mais, enfrentam a perda de 2,71 mil milhões de dólares por semana em vendas. No retalho, em 2020, já se perderam 178 mil postos de trabalho e mais de 250 mil funcionários do retalho encontram-se atualmente em lay-off, um número pode aumentar dramaticamente este ano», alerta.

Atenuar consequências

A CEO do British Retail Consortium pede ainda que o governo aumento aos apoios para o sector de retalho. «As retalhistas querem negociar o seu caminho para a recuperação, mas se forem forçadas a fechar, será necessário mais apoio financeiro ou muitas empresas irão à falência e milhares de empregos viáveis ​​serão perdidos», garante. «A maior diferença que o governo pode fazer é alargar a isenção das taxas de negócios a partir de abril para os mais afetados pelos repetidos bloqueios», sugere Helen Dickinson.

[©BBC.com]
No Reino Unido foram já vários os retalhistas que entraram em insolvência devido à crise pandémica. Ainda à espera de desfecho está a Debenhams, que deverá ser liquidada em março, assim como a cadeia Peacocks e as marcas pertencentes à Arcadia, nomeadamente a Topshop, cujo edifício no cruzamento da Oxford Street e da Regent Street encontra-se à venda.

Apesar da nova variante ser mais contagiosa e, por isso, pode acelerar a transmissão do vírus, os especialistas já revelaram que não a consideram mais agressiva ou letal, não colocando em causa a eficácia das vacinas, que serão também eficientes no combate da estirpe originada por uma série de mutações já identificadas.

Além do Reino Unido, a nova variante foi identificada em países dentro e fora da Europa. Na África do Sul, onde foi também descoberta outra nova variante, os especialistas mostram maior preocupação, dado não saber se a vacina atuará com eficácia. Descobertas quase em simultâneo, a nova estirpe no Reino Unido não é a mesma da África do Sul.