Início Arquivo

Têxteis indianos sentem concorrência no mercado comunitário

Enquanto decorrem as negociações para a criação de uma aliança entre o Paquistão, o Bangladesh e a Índia no sector têxtil e de vestuário, os países da Europa de Leste, em particular a Turquia, estão a exercer uma forte concorrência sobre os produtos indianos no mercado europeu.

Com a eliminação das quotas alfandegárias, o mercado comunitário tem surgido como mais lucrativo do que o norte-americano, devido a registar uma quebra de preços consideravelmente menor. De acordo com o divulgado pelo Business Standard, durante o período de 1995 a 2004, os preços médios de importação de têxteis e de vestuário nos EUA registaram uma quebra de 25%. A quebra registada nos preços da União Europeia (UE) foi consideravelmente menor, registando-se uma taxa de 15% durante igual período.

No entanto, o mercado norte-americano ajusta-se melhor à oferta massiva que caracteriza as exportações chinesas, a qual é associada a uma significativa redução dos preços. Com as importações chinesas a apoderarem-se do mercado norte-americano, a Índia enfrenta a forte concorrência da Turquia, Polónia e Roménia no mercado europeu.

Para além destes países, com a adesão dos estados bálticos à UE em Maio de 2004, existem maiores probabilidades de se realizarem trocas comerciais entre Estados-membros em detrimento do recurso a países externos à UE, o que poderá afectar ainda mais as expectativas indianas de crescimento.

Para além destes factores que dificultam o desempenho da Índia no mercado comunitário, a existência de diversos acordos de livre comércio nos EUA e o Sistema Generalizado de Preferências da UE favorecem os diversos países concorrentes, como a Turquia, Roménia, Canadá, México e países da Europa de Leste.

Durante o primeiro trimestre do ano verificou-se que, em termos de volume de importações, a Índia encontra-se em quarto lugar entre os principais exportadores de vestuário para a UE, atrás da Turquia e do Bangladesh e com a Roménia imediatamente atrás.

De acordo com a opinião de alguns peritos indianos, o país encontra-se numa posição vantajosa em termos de disponibilidade de matérias-primas, mas os acordos preferenciais e a proximidade geográfica ao mercado comunitário eliminam esta vantagem. Mesmo em relação às vantagens associadas ao baixo custo laboral indiano, países como a Turquia, Tailândia e Bulgária possuem custos equiparáveis.