Início Destaques

Têxteis-lar conduzem Foot by Foot

Ao longo de 2018, o negócio dos têxteis-lar foi o «motor» de crescimento da Foot by Foot. A produtora de tecidos laminados e revestidos, que trabalha igualmente as áreas da moda e dos têxteis técnicos, tem evoluído «motivadíssima pelos têxteis-lar», que continuarão a ser aposta para 2019.

«Vive-se uma época muito boa para os têxteis-lar portugueses», afirma o administrador da Foot by Foot, António Pereira, ao Portugal Têxtil, justificando, de certo modo, o crescimento desta área de negócio para a empresa. Aliás, a marca própria, a Tectex, «tem evoluído bastante bem, motivadíssima pelos têxteis-lar», assegura. Esta área de negócio representa, atualmente, 50% da faturação da Foot by Foot e 80% da mesma destina-se à exportação, cuja quota total ronda os 30%.

Os principais mercados encontram-se na Europa, revela o administrador da Foot by Foot. «Conseguimos chegar até à Turquia. Vendemos na Polónia, na Croácia, toda essa zona, mas também para Alemanha, França e Espanha». A empresa exporta «para cerca de 15 países europeus» e o objetivo é cobrir toda a União Europeia, marcando, por isso, presença em certames internacionais como a Heimtextil e a Techtextil.

Precisamente na feira alemã dedicada aos têxteis-lar, onde marca presença desde 2010, a Foot by Foot apresentou «têxteis com uma função industrial, de venda para proteção de colchão e proteção de almofada. São têxteis com características técnicas que nos permitem construir uma almofada, ou um protetor de colchão, para ambiente hospitalar, hoteleiro e doméstico», explica António Pereira. «Compramos o fio, mandamos tecer a tela e, depois, internamente damos-lhe o revestimento. Depois, colamos uma espuma e vendemos em rolos. Não vendemos ao consumidor final, vendemos sempre o produto à indústria», acrescenta o administrador da empresa sediada em Felgueiras, com uma área coberta de 5 mil metros quadrados.

A Foot by Foot é solicitada «por todo o tipo de clientes, que procuram tecidos ou malhas para a área dos têxteis-lar – seja para almofadas, protetores de colchão, proteções de mesa ou tábuas de engomar –, para o calçado – para fazer algumas aplicações interiores, forros ou aplicações de exterior nos cortes –, ou para automóvel – por exemplo, as seat covers», enumera o empresário. «O objetivo é sempre o mesmo. Pegamos num tecido que ainda não possui as características que se pretende que tenha no final. Adicionamos uma quantidade de componentes, muitas vezes em camadas, ou até através de acabamentos funcionais. No final, o produto é completamente diferente do produto inicial. Tem uma função específica», frisa António Pereira.

2018, o ano dos têxteis-lar

«Começámos os primeiros sete meses do ano muito bem. Nos têxteis-lar, continuámos a crescer, aliás, têm sido o motor da empresa. Estamos a falar em crescimentos na ordem dos 30%», adianta o administrador. No entanto, o crescimento do segmento «foi atenuado e absorvido, principalmente pelo vestuário, confeção e o calçado, que tiveram um trambolhão enorme», admite. Deste modo, o volume de negócios da Foot by Foot, em 2018, acabou por se fixar em valores idênticos a 2017, rondando os três milhões de euros.

A empresa, com 30 trabalhadores, prevê «continuar a crescer em 2019» no negócio dos têxteis-lar. «Estamos muito expectantes relativamente aos outros sectores porque, honestamente, vi uma paragem tão grande depois do verão, que estou com muitas dúvidas. A nossa perspetiva é que, se houver um crescimento por parte dos outros segmentos, conjuntamente com os têxteis-lar, acabamos por ter um crescimento maior», assume o administrador da Foot by Foot.