Início Notícias Vestuário

TMR à conquista do Novo Mundo

A árvore genealógica da empresa destaca Margarida, a fundadora, Mariana, responsável de vendas, e Miguel, responsável de qualidade. A par do apelido Máximo, os três partilham o espírito globetrotter que levou a TMR Fashion Clothing aos EUA.

Mariana e Miguel Máximo

Fundada em 1997, a TMR Fashion Clothing começou com uma mulher e uma missão e, desde então, a confeção de vestuário saltou gerações e fronteiras. «No início começou por ser só a minha tia, que era agente. Entretanto, ela sentiu a necessidade de ter uma pequena linha de produção só para desenvolver as amostras. Começou com uma unidade muito pequena, com três ou quatro pessoas, e um cliente. Depois, com a concorrência asiática, foi preciso redirecionar o negócio», contou o sobrinho Miguel Máximo durante a última edição do Modtissimo.

A TMR Fashion Clothing cresceu então nos clientes e no efetivo e, hoje, 21 colaboradores lidam com uma carteira de 10 clientes. O mais recente chegou dos EUA. «Fizemos a primeira exportação este ano», revelou o responsável de qualidade, adiantando que as perspetivas para o negócio são positivas. «Está a correr bem. Já estamos a trabalhar numa segunda coleção para nova produção. Além disso, o contacto é bom porque o cliente com quem estamos a trabalhar representa, além da sua, outras marcas», afirmou. Trabalhando exclusiva e diretamente com marcas de nicho internacionais, a TMR Fashion Clothing tem a Alemanha e a Holanda como principais destinos de exportação, seguidos pela Suíça e Suécia.

«Recentemente, começámos a trabalhar com marcas sustentáveis. Temos já duas marcas, uma suíça e uma alemã», desvendou Miguel Máximo. Acreditando que a vantagem competitiva da empresa passa pela ecologia, a TMR Fashion Clothing, que até aqui se tem garantido com os parceiros, já iniciou uma corrida a solo às certificações. «Estamos já a trabalhar na certificação STeP, que contamos ter nos próximos meses. Estamos ainda a “olhar” para outras, como a Global Organic Textile Standard (GOTS) e a Oeko-Tex», explicou o responsável de qualidade.

Ambicionando os 15 clientes no curto prazo, «cinco dos quais ligados à sustentabilidade e, desses, dois ou três com modelos de negócio direto ao consumidor», a empresa, cujo volume de faturação anual se situa no milhão de euros, está a fazer da sua morada no ciberespaço a porta de entrada para novos negócios.

«Estamos a apostar muito no digital. Através do nosso website temos, diariamente, quatro ou cinco contactos. Os custos são reduzidos, só se investe uma vez, o retorno é gigante e é fácil destacarmo-nos online quando se fala de têxtil», concluiu Miguel Máximo.