Início Notícias Mercados

TPP catalisa exportações dos EUA

A Parceria Trans-Pacífica (TTP na sigla original) deverá alavancar as receitas norte-americanas em 131 mil milhões de dólares ao ano (120 mil milhões de euros) a partir de 2030, sendo que um atraso de apenas um ano na sua implementação representará uma quebre de 77 mil milhões de dólares nas receitas, revelou um estudo publicado esta semana.

O Peterson Institute for International Economics referiu que a sua análise da parceria – assinada em outubro entre os líderes de 12 países da orla do Pacífico depois de mais de cinco anos de negociações (ver TTP está em marcha), e com acordo final publicado em novembro (ver Detalhes do TPP) – apontou um possível aumento de 357 mil milhões de dólares ao ano para as exportações dos EUA e de 1,025 triliões anuais para todos os parceiros, adianta a agência Reuters. Os rendimentos anuais para os 12 países da TPP deverão subir em 465 mil milhões de dólares, depois da aplicação total em 2030, antevê o instituto.

O estudo do Peterson Institute for International Economics, com sede em Washington, mostrou que haverá 53.700 empregos nos EUA em mudança durante o período de implementação de 15 anos do acordo, resultando em perdas de emprego em alguns sectores, compensadas ​​com incrementos noutros. Estima ainda que, até 2030, cerca de 796 mil postos de trabalho deverão ser adicionados às atividades de exportação dos EUA devido à TPP, com alguns a mudarem de empresas que enfrentam a concorrência aguerrida das importações.

«A presente análise indica que os benefícios da TPP para a economia dos EUA superam em muito os custos de ajustamento e que as consequências na flutuação dos preços e no emprego serão limitadas», informa ainda o relatório.

Os líderes republicanos no Congresso dos EUA ainda vão agendar uma votação sobre a TPP, que é vista como essencial para o sucesso do pacto. Alguns legisladores proeminentes têm advertido contra uma aprovação antes das eleições presidenciais.

Muitos oponentes à TPP no Congresso têm levantado preocupações sobre os efeitos do acordo comercial para as unidades industriais domésticas, sobretudo nos sectores que são vulneráveis ​​a importações de baixo custo, tais como peças automóveis, aço e vestuário.

Embora o estudo do instituto estime que o emprego global na produção deverá continuar a crescer nos EUA, a parceria Trans-Pacífica deverá reduzir essa taxa de crescimento em 1/5, resultando numa quebra de 121 mil postos de trabalho na produção.

O representante do comércio dos EUA, Michael Froman, que liderou a delegação do país nas negociações, disse em comunicado que o estudo Peterson «mostra que a TPP vai aumentar os salários dos trabalhadores americanos, fazer crescer a economia e ajudar os agricultores e as empresas a exportarem mais produtos “made in America”».

O estudo assume que a implementação da TPP deverá arrancar em 2017. Se for adiada um ano e encaminhada para 2018, irá reduzir o valor da receita norte-americana gerada com o acordo comercial em cerca de 77 mil milhões de dólares.