Início Notícias Marcas

Treze, dia de sorte

Marca slow fashion, a Treze the Lab foi idealizada em família e traz à memória a infância dos anos 80. Destinada a mulheres, promete contudo incluir o universo masculino no seu horizonte. Saudade é o tema da primeira coleção, que inclui padrões exclusivos criados de raiz.

[©Treze the Lab]

Foi a insistência dos filhos mais velhos, Mariana e Rodrigo, que fez com que a Treze the Lab se materializasse. Ela amante das artes e ele marketeer «conseguiram mesmo fazer com que eu começasse a pensar na ideia e quase sem dar por isso comecei a ver-me metida num projeto que estava cheio de amor e memórias contadas por eles e por mim», explica Ana Rodrigues.

A Treze the Lab começou a ser cozinhada quando a família estava em confinamento.  Com apenas 12 anos, Mariana começou a desenhar padrões e a idealizá-los em peças de roupa. Já ao seu irmão, a tirar gestão de marketing, «surgiam-lhe ideias diariamente de como a marca poderia nascer, sempre realçando a parte mais humana do projeto e o contributo que poderíamos dar ao planeta do futuro», revela ao Portugal Têxtil.

[©Treze the Lab]
Os padrões fizeram viajar Ana Rodrigues até à infância e, «de repente, parecia que voltava sempre onde tinha sido muito feliz. A Treze the Lab surgiu num dia de sorte», enfatiza.

O regresso ao passado deu origem à primeira coleção da marca, batizada Saudade. Um regresso aos anos 80 com propostas de calças, camisas e blusas com padrões exclusivos criados de raiz em tons vibrantes que combinam o cor-de-rosa, o laranja e o castanho. Destaca-se ainda o conjunto de malha Élia em tons neutros simples e intemporal.

«Esta nossa coleção foi confecionada com desperdícios de tecido em poliéster. A sustentabilidade é uma das partes mais importantes do nosso projeto. Quando não nos é possível comprar tecidos orgânicos e reciclados, optamos pelo aproveitamento de desperdícios de tecidos. Desta forma, conseguimos também combater o desperdício e ajudar na sustentabilidade», destaca a cofundadora.

Seguindo o princípio do slow fashion, a Treze the Lab cria peças intemporais e duradouras.  «O nosso público-alvo, neste momento, são mulheres, adolescentes e adultas, mas os homens estão no nosso horizonte», adianta Ana Rodrigues.

Todas as peças da Treze the Lab são produzidas em Lisboa, num pequeno atelier, e vendidas unicamente online através do próprio website, embora estejam já a ser trabalhadas parcerias com lojas físicas.

[©Treze the Lab]