Início Arquivo

Um tamanho para todos

Os retalhistas que estão a tentar expandir-se nos mercados europeus têm agora a possibilidade de adquirir manequins “um tamanho serve todos”, desenhados a partir dos dados recolhidos por scanner em toda a região pela empresa Alvanon, cujos clientes incluem a George, Lacoste, Levi’s e Nike. «Fomos os primeiros a pôr em prática uma visão alargada do mercado europeu do ponto de vista da forma corporal e a dar ferramentas práticas que qualquer um pode usar», afirma o presidente da Alvanon, Ed Gribbin. Os novos manequins com os padrões da UE da Alvanon são baseados na digitalização 3D do corpo de 50 mil pessoas com idades entre os 20 e os 40 anos em França, Alemanha, Holanda, Itália, Rússia, Espanha e Reino Unido, juntamente com os dados que recolheu em 17 outros mercados. Os seus mais recentes estudos resultaram no design de manequins de «ampulheta modificada» em tamanhos para homem do 46 ao 56 e de tamanhos para senhora de 36 a 46 para cobrir todo o mercado europeu. A Alvanon vai também lançar manequins para tamanhos grandes de senhora em Julho. «Se olhar para os estudos anteriores, cada um foi feito num país específico», explica Gribbin. «Embora ofereçam um retrato de países individuais, muitos destes retalhistas e marcas vendem num mercado mais diversificado. Por isso, se tem uma marca que vende em vários mercados e está sedeado em França, vai deixar que o padrão francês influencie como vende no resto da Europa?», questiona. Embora os dados das digitalizações tenham dado à Alvanon um ponto de partida de como deveriam ser as suas formas europeias, a empresa também teve de analisar a abordagem actual em termos de tamanhos dos retalhistas de vestuário do continente. Gribbin revela que «queríamos ver o que o mercado estava a fazer. Percebemos que não é possível pedir a uma marca para mudar radicalmente o seu padrão de tamanho e esperar que mantenha os consumidores. O ajuste é a razão primária pela qual as pessoas regressam à sua marca. Quisemos dar à indústria uma forma de se direccionar para um padrão demográfico mais europeu que irá servir a uma elevada percentagem de pessoas e ainda assim ser muito comercial, mas não uma mudança radical para a maior parte. Pegamos na forma standard de ampulheta que a maior parte das pessoas tem e modificámo-la com os olhos no compêndio de dados». A Alvanon actualmente constrói 80% a 90% dos seus manequins para marcas específicas. Contudo, Gribbin refere que a sua aposta em soluções padrão para a indústria pode levar a que estas representem metade do seu negócio dentro de dois anos. «Se for um pequeno designer ou uma grande hipermercado mundial pode aproveitar isso», acrescenta. Janice Wang, co-fundadora e director-executiva, para além de filha do fundador da Alvanon, Kenneth Wang, considera que vai haver sempre clientes que querem manter o seu ADN de marca e ajuste direccionado, com muita da indústria de moda a permanecer irredutível em termos de ajuste. «Para algumas pessoas [o ajuste pan-Europeu] não estaria de todo certo. Fazemos as nossas soluções à medida porque temos de fazer», sublinha Wang. Contudo, a Alvanon adverte para a necessidade dos retalhistas internacionais apelarem a uma segmentação mais abrangente de consumidores. Como sublinha Wang, o modelo um tamanho, ou forma, pode não servir para todos, mas um número significativo de marcas e retalhistas estão a pedir à Alvanon para que isso seja o caso.