Início Notícias Marcas

Uma história Ponto por Ponto

A Ponto por Ponto transporta uma história que já vem da geração passada. Em 1998, as quatro filhas da costureira, que começou por «vender umas coisinhas nas lojas», e do alfaiate criaram a marca que se tornou especialista em roupa de cerimonia para bebés e crianças.

Sílvia Marques, cofundadora da Ponto por Ponto, contou ao Portugal Têxtil que a marca surgiu da oportunidade de ocupar um gap no mercado que apareceu com o encerramento de um grande armazenista no Porto.

Suportadas pela empresa familiar que já produzia para este segmento, as irmãs deram continuidade ao trajeto inicial e começaram a fabricar sob marca própria.

Atualmente, a Ponto por Ponto focaliza o alvo nas lojas multimarca e em lojas de criança ou de noivos que abranja o segmento dos 3 meses aos 14 anos.

A empresa agrega nas suas instalações todos os processos de produção, coordenados pelos 12 colaboradores, à exceção da matéria prima, que é maioritariamente importada da Europa.

Normalmente, são lançadas duas coleções por ano que variam na «secção de bebé os batizados, depois na secção dos anos e acompanhantes de casamento», incluindo ainda algumas peças que se adequam ao casual chique, explicou Sílvia Marques.

O principal mercado da Ponto por Ponto é o nacional, representando 80% do volume de negócios, ainda que a cofundadora acuse já alguma saturação.

«Já não conseguimos vender mais em Portugal. Já conhecemos bem o território, que está todo coberto», confessou.

Sílvia Marques afirmou que a quebra de vendas e a escassez de pontos de revenda deve-se ao encerramento dos negócios de rua e ao desinteresse das gerações mais novas.

Presente em duas feiras internacionais, a Fimi e uma especializada em cerimónia – Día Mágico by Fimi em Madrid, a Ponto por Ponto assinala Espanha como um dos destinos de exportações e identifica ainda algumas vendas para França.

As adversidades expostas por Sílvia Marques não foram um entrave para a Ponto por Ponto que, em relação ao ano anterior, aumentou as vendas estivais.

Com um volume de negócios na ordem dos 500 mil euros, a empresa também produz em private label e traça para o futuro conseguir aumentar as vendas e entrar em mais mercados estrangeiros.