Início Notícias Têxtil

Valérius procura futuro verde

A par das celebrações que marcam os 10 anos da Valérius, a empresa serviu-se do colóquio organizado no âmbito da temática “Economia circular na Indústria Têxtil” para firmar o seu compromisso para os próximos 10 com a implementação do projeto 360.

O teatro Gil Vicente, em Barcelos, foi o lugar selecionado para a realização da conferência que juntou clientes, fornecedores e parceiros da Valérius, a jogar “em casa”, no mesmo painel para debater questões relacionadas com a sustentabilidade, a economia circular e os processos de reciclagem.

Em linha com o tema central, José Ferreira, CEO da Valérius, começou por expressar a sua preocupação sobre a pegada ecológica da indústria têxtil no mundo, fazendo referência ao projeto Valérius 360 inserido nas práticas da economia circular.

«Sentimos que não há possibilidades de crescer, de fazer sempre mais peças, sem recuperarmos o desperdício. O desafio que a Valérius vai tomar como ponto de referência é recuperar as peças. Não sei se vamos conseguir, tentar depois com os parceiros desfazê-las e voltar a fazer fio e peças novas. Esse é o desafio para os próximos 10 anos, pensamos daqui a cinco anos ter 25% das nossas peças nesse tipo de produtos», explicou.

O plano de economia circular da Valérius consiste num processo de seis passos, em que o primeiro passa por agrupar os subprodutos por composição, cor e título de fio, posteriormente, transformar esses desperdícios em matéria-prima, iniciando o processo de renovação dos materiais em fio que dará origem a uma nova peça de vestuário.

O investimento para a implementação do projeto «no limite, pode atingir os 10 milhões de euros», adiantou José Ferreira ao Portugal Têxtil.

Ainda no palco, o CEO revelou que a Valérius foi reconhecida com o prémio “Indústria 4.0”, ontem, na Gala do Prémio Jovem Empreendedor 2017, organizada pela ANJE – Associação Nacional de Jovens Empresários) e atribuído pela Pricewaterhouse Coopers (PWC), com base na análise do crescimento do volume de negócios na ordem dos 20%, em proporção com o aumento do número de trabalhadores e com um volume de negócios entre os 5 e os 30 milhões.

«A indústria 4.0 já está dentro da nossa cultura porque conseguimos informar os nossos clientes onde andam os processos», afirmou o CEO ao Portugal Têxtil.

José Ferreira aproveitou ainda para anunciar o lançamento do projeto “Bolsa Valérius 360”, destinada a «1 ou 2 alunos» da Universidade do Minho que «tenham capacidade de se ligar connosco e que tragam conhecimento para dentro da empresa», apontou, sublinhando a importância da ligação das universidades às empresas como forma de troca de conhecimentos.

José Ferreira dedicou, por fim, algumas palavras de agradecimento aos trabalhadores da empresa que admitiu serem parte fulcral da organização. «O sucesso das empresas faz-se no dia-a-dia trabalhando bem com as equipas», assumiu, acrescentando que «eu não quero ser a estrela, quem tem que ser as estrelas são os trabalhadores que dia a dia levam as empresas para frente».