Início Arquivo

Vantagens competitivas

A termocolagem é o processo de unir uma entretela adesiva a um tecido ou vestuário exterior. A entretela termocolada é um tecido de base com uma camada de cola adesiva termoplástica (usualmente numa só face), que pode ser unido a outro tecido mediante a aplicação de calor e pressão.

Esta operação oferece inúmeras vantagens quer ao fabricante quer ao utilizador. Para o utilizador, a durabilidade da peça de vestuário aumenta, uma vez que retém a sua forma original após repetidas lavagens e limpezas a seco e a recuperação à ruga é consideravelmente melhorada. Para o fabricante, o vestuário possui uma qualidade consistente na fabricação da entretela, o tempo e os custos são menores já que são eliminadas as operações de costura requeridas para unir a entretela à peça exterior, e o artigo apresenta um aspecto mais atraente.

No entanto, a termocolagem é por vezes uma das operações mais subestimadas ao longo do processo de fabricação de vestuário. Embora com outras operações alternativas ocorram frequentemente danos no tecido. Com a termocolagem é diferente, já que alguns dos problemas ficam ocultos e podem apenas se tornar visíveis durante os processos de acabamento ou até somente após a lavagem ou limpeza a seco do artigo.

A qualidade da máquina de termocolagem e a selecção da entretela são factores soberanos. A última novidade da gama Meyer é o sistema RPS E Evolution, oferecido em 2 versões: a RPS E4, que apresenta um túnel mais longo com 4 zonas de controlo da temperatura para grandes volumes de produção, e a mais compacta RPS E2.

Outro especialista nesta tecnologia é o Martin Group, que produz uma vasta gama de máquinas de termocolagem, onde se inclui uma série de sistemas contínuos para produtividades médias, tais como casacos, vestidos ou camisas.

Máquinas de temperatura e pressão baixas

A máquina de pressão rotativa NS 2410 da Ngai Shing Development destina-se à termocolagem a temperatura e pressão baixas, como é muitas vezes exigido nas blusas e no vestuário em malha. A NS 2610 opera via pneumática com sistema de aquecimento regulável até 180 ºC, sistema de estabilização de cinta automática, sistema de arrefecimento, alimentação e recolha dianteiras. Quanto à NS 5360, apresenta sistema de controlo da temperatura separado para as partes superior e inferior com termóstato automático, sistema de aquecimento com desenho patenteado e controlo pneumático da pressão, entre outras mais-valias.

Dentro da gama Oshima destaca-se a OP 900/1000 para termocolagem de tecidos ou de malhas. As suas principais características incluem um sistema de termocolagem contínuo para aumentar a produtividade e um sistema de aquecimento que garante uma distribuição homogénea do calor e que pode ser aplicado em qualquer tipo de tecido. Quanto à nova OP 100LE/120LE da Oshima, trata-se de uma máquina de termocolagem a baixa temperatura com três câmaras térmicas separadas e 9 níveis de aquecimento, permitindo controlar o método de aquecimento para diferentes termocolagens e tecidos.

Para a termocolagem contínua, a Macpi recomenda a sua máquina 334, dividida em 5 secções: carregamento, aquecimento, pré-termocolagem, termocolagem e descarregamento. Todas as funções são programáveis e podem ser armazenadas como programas separados. A máquina é proposta em diferentes versões dependendo do comprimento de trabalho (1.400 mm, 1.600 mm e 1.8 mm). O sistema de aquecimento encontra-se disponível em 4 versões: aquecimento por vapor, aquecimento eléctrico, aquecimento por vapor com sobreaquecimento eléctrico na segunda placa, e qualquer combinação entre os três anteriores.

Máquinas compactas e multi-funções

A nova Veit AX 450 é uma máquina de termocolagem compacta e multi-funções, referida como a solução ideal para a termocolagem de uma vasta gama de entretelas e tecidos. Uma abertura lateral permite a aplicação de uma termocolagem parcial, particularmente útil para pequenas áreas de termocolagem em grandes peças de tecido.

As prensas de termocolagem das séries Gygli PR 8 encontram-se disponíveis em 4 versões distintas. A principal diferença entre elas é o número de elementos de aquecimento e, por consequência, ao nível do comprimento da respectiva zona de aquecimento, o que tem um impacto directo no contacto térmico e na capacidade produtiva. Quanto à prensa de termocolagem semi-automática Gygli Frontstar, foi desenvolvida para pequenas áreas de termocolagem. Para a estampagem por transferência e termocolagem de pequenas partes, a Gygli Printstar utiliza uma tecnologia similar à Frontstar.

Entretelas

A Freudenberg Gygli também oferece uma extensa panóplia de entretelas em tecido ou não-tecido para termocolagem ou costura, assim como revestimentos adesivos especiais para malhas jersey. A entretela tecida bi-elástica da empresa, com elasticidade natural mas controlada em ambas as direcções, encontra-se disponível em múltiplas versões à medida das diferentes exigências dos clientes. A Gygli também desenvolveu um adesivo termoplástico especial para lingerie, roupa desportiva, vestuário sem costuras e revestimentos por transferência.

Entretelas adesivas, constituídas por fios ultra-modernos, com diferentes pesos e numa miríade de cores, permitem que a Kufner satisfaça um largo espectro de aplicações em vestuário. As suas entretelas tricotadas, por exemplo, incluem desde clássicas malhas de viscose até malhas texturizadas.

 

A francesa Lainière de Picardie desenvolveu o GMP M5, um revestimento tecnológico patenteado que a empresa afirma conferir melhor performance de termocolagem, maior suavidade e maior precisão na operação corte.

COMENTE

Please enter your comment!
Please enter your name here

*