Início Arquivo

Verão de 2004 fluído e colorido

Decorreu de 12 a 19 de Setembro em Nova Iorque os desfiles de Primavera/Verão 2004. Na altura do segundo aniversário dos atentados do 11 de Setembro, os cerca de 80 criadores inscritos oficialmente no programa, fizeram sonhar a assistência. As silhuetas imaginadas por Marc Jacobs, Donna Karan, o jovem Zac Posen, Anna Sui, Luc Orlandi, Catherine Malandrino, Narciso Rodriguez… entre outros, não são apenas belas, mas agradáveis, femininas e cheias de charme. O espírito lingerie, com as suas cores e linhas que enfeitiçam, esteve também muito presente. E para aqueles que têm “medo” de se afogar neste mar de feminilidade, um pouco de desporto veio aligeirar a atmosfera. Ralph Lauren, Michael Kors, Emilio Cavallini e Anna Sui, mostraram-se valentes desportistas, cada um à sua maneira. Ralph Lauren apresentou-se com um estilo “british snob”, muito virado para o vestuário do ténis e pólo, enquanto que a chinesa Anna Sui, se aventurou no país dos surfistas. O espanhol Miguel Adrover interessou-se por todas as tribos do mundo, presentes em Nova Iorque. E o brasileiro Carlos Miele celebrou com os seus cortes as diferentes raças, valores e crenças entre as nações. Abandonando os anos 60, Marc Jacobs reviveu os ingénuos anos 20-30. Catherine Malandrino preferiu uma silhueta delicada, com uma cintura bem marcada por um largo cinto de “smoking”. Cynthia Steffe, inspirou-se nos anos 50, optando por saias de balão, impressas com flores verdes e rosas, ou padrões multicolores. No que diz respeito a Donna Karan, oscilou entre as criações metálicas em ouro com cinturas descidas e saias cortadas de forma a mostrar os “kilómetros” de pernas, das modelos. Narciso Rodriguez preferiu a simplicidade do “tailleur”, com ombros bem marcados, e saias desenhadas. O criador é um apaixonado pelos vestidos que sigam as curvas do corpo. Vestidos, que aliás, foram os reis da passerelle, mostrando que o próximo Verão será muito quente, pelos menos a julgar pelos cortes e cores escolhidas. Ralph Rucci, privilegiou a sobriedade, com vestidos escuros e de linhas abstractas. Francisco Costa, o novo criador da Calvin Klein optou pelas transparências em seda organza, imitando ondas de areia. Nos desfiles de lingerie as cores marcaram forte presença, assim como as t-shirts e as calças de yoga. Definitivamente, os tons pastel, champagne, verde, cinzento e lavanda, acentuados por rendas ou flores em tecido na cintura ou ao peito, vão dominar o Verão de 2004. A nível desportivo, apareceu uma nova raça de vestuário de desporto adoptando os códigos, as cores e o design de competição, de uma forma mais feminina devido aos cortes e à utilização de tecidos fluídos e leves. A ver pelo entusiasmo e colorido da Semana de Moda de Nova Iorque, o próximo Verão vai ser leve e descontraído, mesmo para o vestuário mais clássico. A silhueta feminina estará sempre em evidência.