Início Notícias Vestuário

Vestuário em ascensão

De janeiro a dezembro do ano passado, a indústria de vestuário portuguesa aumentou em 9,5% as vendas ao exterior, para um total de 2,78 mil milhões de euros. Os números foram agora divulgados pela Anivec/Apiv – Associação Nacional das Indústrias de Vestuário e Confecção, com base nos dados do Instituto Nacional de Estatística. Segundo a associação, desde 2009, os sectores que representa «aumentaram as vendas nos mercados externos em 29%», um crescimento que se deve, na ótica da Anivec/Apiv, «a um comportamento dinâmico e competitivo das empresas no plano internacional, para onde se dirigem mais de 70% das vendas do sector». A categoria de vestuário e seus acessórios de malha continua a ser a mais representativa, tendo registado um crescimento nas exportações de 8,53%, para aproximadamente 1,83 mil milhões de euros. Contudo, foi na categoria de vestuário e seus acessórios, exceto malha, que as exportações de vestuário mais cresceram: 10,91%, para 943,9 milhões de euros. No geral, sublinha a associação, «as exportações de vestuário e confeção representaram 60,2% do total exportado pela fileira têxtil em Portugal», que atingiram os 4,62 mil milhões de euros no final do ano. A Anivec/Apiv destaca que «a indústria portuguesa do vestuário e confeção é uma atividade de forte matriz exportadora e assume mesmo um papel de grande relevo na economia portuguesa não só em termos de emprego mas igualmente pelo contributo muito positivo para a balança comercial», referindo um saldo positivo de 967 milhões de euros em 2014. «É um sector maduro, que apresenta como principais pontos fortes a proximidade geográfica ao mercado europeu e o conhecimento acumulado proveniente da longa tradição do sector. Decisivos foram, ainda, nos últimos anos, os elevados investimentos no processo de modernização, que tornaram a indústria portuguesa numa das mais avançadas do mundo, bem como o investimento na formação dos quadros. Por via disso, conseguiu, ao longo dos últimos anos, reduzir os prazos de entrega das suas mercadorias e obteve, assim, um fator determinante para ganhar quota de mercado aos seus principais concorrentes internacionais», conclui.