Início Notícias Vestuário

Vestuário na resistência

Com os confinamentos a gerar muita incerteza, resistir tornou-se a palavra de ordem para a indústria de vestuário, que pede medidas concretas para ultrapassar este momento e chegar à era pós-Covid preparada para os novos desafios da moda.

O sector do vestuário foi dos mais afetados pela pandemia de Covid-19, levando a uma perda considerável do negócio, sobretudo para as empresas que se dedicam ao vestuário mais formal. Nesta edição de abril do Jornal Têxtil, fazemos o balanço de um ano de desafios para esta indústria, com o balanço de 2020, as expectativas para 2021 e as perspetivas de retoma dadas na primeira pessoa pelos empresários que lideram a Benoli, a CBI, a Expotime, a Fermir, a Salgado & Neto, a SJ Têxteis, a Triwool e a Twintex.

Um retrato que coincide com o que é feito em entrevista por César Araújo, presidente da ANIVEC – Associação Nacional das Indústrias de Vestuário, Confecção e Moda, que reivindica medidas muito concretas para ajudar este sector a superar este momento e apela a uma revisão das políticas europeias para estimular e preparar o sector para o futuro.

O futuro passa igualmente pela digitalização, como mostraram a TMG, a Riopele e a Somelos, no seminário DigiTVC – Digitalização da cadeia têxtil, e ainda a Ramiro & Carvalho, que está a usar as aplicações na nuvem da Lectra.

A indústria têxtil e vestuário portuguesa e as entidades do sistema técnico-científico estão, de resto, na vanguarda da inovação, como provam os projetos Tex4SafeCare, promovido pela JF Almeida em copromoção com a Têxteis Penedo e o CITEVE, e SM4S, concretizado pelo CeNTI em parceria com a empresa Ropar/Arcopedico, o Instituto Nacional de Engenharia Biomédica e o Centro Clínico Académico de Braga, assim como o desenvolvimento realizado pela Poleva com a Fibrenamics para uma máscara FFP2 semi-reutilizável e parcialmente biodegradável – tudo para ficar a conhecer com mais detalhe nesta edição. Saiba também quem são os vencedores do iTechStyle, e finalistas de têxteis, produtos e acessórios candidatos aos prémios de 2021.

Embora 2020 tenha sido um ano difícil, algumas empresas conseguiram dar a volta e até registar crescimento, como foi o caso da produtora de malhas ketten João Pereira Guimarães e da especialista em confeção Marjomotex. E há quem tenha conseguido angariar novos clientes, como aconteceu com a Top Trends.

Fique ainda a par das novidades no mundo das fibras, nomeadamente ao nível dos avanços na sustentabilidade efetuados pela Hyosung, e das movimentações empresariais, como a aquisição da Springkode pela PlatformE.

Antes de fechar esta edição de abril, não se esqueça de espreitar o suplemento dedicado à Ecoeficiência, com as soluções propostas pela Lusitar e a APCER, e também as páginas de conjuntura, onde pode acompanhar os números mais recentes da economia e da indústria têxtil e vestuário.

Boas razões para ler esta edição do Jornal Têxtil. Se ainda não é assinante, não perca mais tempo e faça já a sua subscrição para assegurar um exemplar do jornal que lhe dá a informação que faz a diferença para o seu negócio.