Início Arquivo

Via verde para a Texworld

Empenhada em continuar a chamar a atenção para a importância da sustentabilidade na indústria da moda, os Sustainable Days da Texworld vão abarcar, nesta edição de setembro, dois dias em vez de apenas um. A 16 e 17 de setembro, o programa paralelo enche-se de conferências, com temas como “África em voga, oportunidades e desafios dos mercados de aprovisionamento de têxteis e vestuário no Leste de África”, “Pode o desenvolvimento sustentável ser certificado?”, “Os desafios do desenvolvimento sustentável para a indústria de têxteis e vestuário – a situação atual, restrições e preconceções” ou ainda o simpósio “Responsabilidade na indústria têxtil”, presidido por Lorenz Wied, vice-presidente para o desenvolvimento comercial da Lenzing AG. À sustentabilidade soma-se o foco na criatividade, nomeadamente dos mais novos, já que o salão apresenta uma exposição com as coleções dos vencedores da mais recente edição do Festival Internacional de Jovens Designers de Moda de Dinard: Maël Larcher (vencedor do Grande Prémio de Criação de Homem) e Marie-Morgane Dumont (Prémio de Encorajamento, apoiado pela Texworld e pela Messe Frankfurt France). «Estamos a desenvolver um portefólio na Texworld com serviços dedicados a designers e jovens marcas. Eles são a força motriz, estimulando a moda com toda a sua energia e inspirando a inovação de produtores de tecidos, malhas e bordados», afirma Michael Scherpe, presidente da Messe Frankfurt France, que organiza o salão de tecidos parisiense. A este programa de eventos juntam-se ainda os seminários de tendências da Pantone e dos diretores artísticos da Texworld, Louis Gérin e Grégory Lamaud, que sob a designação “Impulse” sugerem como conceitos dominantes para a estação fria do próximo ano a renovação e o otimismo, agrupados em seis temáticas – Spontaneous Attraction, Brutal Poetization, Innocent Appropriation, Anonymous Quintessence, Abrupt Veins (dedicada ao denim) e Fragmented Relics (para acessórios). Durante os três dias, cerca de 900 expositores internacionais estarão presentes nesta edição da Texworld, não só de países asiáticos como a China, Bangladesh, Índia, Coreia do Sul e Paquistão, mas também de nações europeias como a Áustria, Alemanha, Bélgica, Holanda e Portugal, representado pela PTA – Agência Portuguesa Têxtil. Em destaque estará, contudo, a Tailândia, que irá promover a sua herança têxtil com uma exposição de mais de 100 tecidos em seda e algodão produzidos em 20 comunidades rurais como parte do projeto OTOP – “One Tambon One Product” (“Tambon” quer dizer comunidade ou pequena aldeia em tailandês) lançado em 2001 pelo Governo do país. Os tecidos expostos na Texworld são feitos à mão, com preços entre os 70 e os 250 euros por metro e poderão ser encomendados pelos milhares de visitantes (13.523 na edição de fevereiro) que deverão encher o centro de exposições Paris Le Bourget.