Início Destaques

Vilartex teimou e venceu!

A produtora de malhas constitui a prova dos nove, ou mais assertivamente a prova dos novos, de que o sucesso é a soma da paciência e da persistência.

No momento em que a empresa se prepara para regressar à Première Vision Paris, que decorre de 16 a 18 de fevereiro, o Portugal Têxtil recorda o brilho da sua estreia no certame da Cidade-Luz.

Não foi à primeira, nem à segunda… Pelo caminho ficaram algumas tentativas frustradas mas nunca a frustração do insucesso, à vista está. O dia 15 de setembro de 2015 ficará escrito não só nos anais da história da Vilartex, que acaba de abrir um dos seus mais belos capítulos, mas também na memória futura de todo o sector das malhas. A premiar a sua entrada na almejada Première Vision, a especialista em laçadas laçou uma nomeação para os prémios do certame, onde apesar de não ter ganho, ficou o sabor de vitória. «Foi ótimo, é quase como os Óscares. Não ganhámos mas estivemos nomeados! É um reconhecimento e ficamos muito, muito contentes», confessou a administradora Carmen Pinto ao Jornal Têxtil (edição de setembro 2015).

Foi uma malha dupla termocolada com espuma, de cor preta e com uma mistura de viscose e poliéster na composição que elevou a Vilartex ao Olimpo dos nomeados aos PV Awards, mas a coleção oferecida pela empresa, que recentemente estabeleceu uma parceria com o designer Luís Carvalho, é variada, composta por malhas muito estruturadas, jacquards, termocolados e malhas tridimensionais, estas últimas uma novidade resultante de novos investimentos da Vilartex.

Os investimentos são, de resto, uma constante na empresa, que desde o início do ano já investiu mais de meio milhão de euros, entre maquinaria, a duplicação da área de armazém e a instalação de painéis solares para reduzir os custos energéticos.

A empresa, que emprega 120 pessoas, criou ainda um departamento específico para explorar a internacionalização. «Há dois anos trabalhávamos somente para o mercado interno. Hoje as vendas para o exterior representam 5% do volume de negócios e os nossos principais mercados além-fronteiras são Espanha, França, Itália, Bélgica e Alemanha. O nosso objetivo é consolidar estes mercados europeus», destacou Carmen Pinto, embora assuma que os EUA e a China estão também na linha de mira. «Dentro de um ano esperamos que a exportação represente, pelo menos, 10% do volume de negócios da Vilartex», acrescentou o administrador Ricardo Pinto.

O portefólio de clientes soma já nomes de prestígio internacional como a Max Mara, Burberry, Chloé e Benetton e o volume de negócios tem vindo a crescer de ano para ano. «Em 2014, registamos vendas no valor de 24 milhões de euros, o que representou um crescimento superior a 20%. Devemos fechar este ano com um volume de negócios de 25 milhões de euros», revelaram os administradores ao Jornal Têxtil.