Início Notícias Têxtil-Lar

Villafelpos continua imparável

A produtora de felpos cresceu 20% no ano passado, superando os 13 milhões de euros de volume de negócios. Para 2017, as expectativas da Villafelpos são de consolidação, mas a meta é atingir 20 milhões de euros dentro de quatro anos.

«Em 2017 não vamos crescer tanto, vamos estruturar o crescimento do ano passado, para que em 2018 possamos crescer mais 20%», revelou Alberto Pimenta Machado, CEO da Villafelpos, na edição de maio do Jornal Têxtil.

O crescimento em 2016 não foi apenas a nível do volume de negócios, afirmou, por seu lado, a administradora Cristina Galvão. «Crescemos a nível de pessoas – neste momento somos à volta de 90 –, a nível de instalações temos um armazém novo e na confeção temos uma máquina nova. E isso ajuda-nos a cumprir prazos e a dar um bom serviço ao cliente», explicou. «A nível de tecnologia tentamos estar sempre na linha da frente», sublinhou.

A ambição da Villafelpos de chegar aos 20 milhões de euros dentro de quatro anos está a ser firmada com base numa política incessante de investimento. «Quando estamos a falar de investimentos, nunca nada está concluído. Por isso o crescimento envolve sempre um contínuo de obras, um contínuo de investimento nas pessoas, na equipa, nos clientes, é uma coisa que não para», apontou Alberto Pimenta Machado. «Como sabemos, o mercado está difícil, a concorrência é maior, todos fazemos o mesmo, por isso temos de apostar no serviço e no design», acrescentou Cristina Galvão.

Nos projetos da empresa está ainda o lançamento de novos produtos. «Estamos a pensar noutro segmento de produtos, noutras linhas e diversificar um bocado», adiantou o CEO da Villafelpos.

Novos mercados na linha de mira

Espanha, Alemanha, França e Inglaterra são os «mercados essenciais» da Villafelpos, que está igualmente a reforçar a presença no mercado americano. «Estamos a começar, a evoluir, a crescer», reconheceu Cristina Galvão, que ressalvou que, no imediato, a política da Administração Trump não teve reflexos no negócio. «Nestes meses, para já, está a correr bem, temos continuado a vender, os clientes continuam a procurar-nos. Ainda não nos afetou», garantiu, pelo que «as minhas expectativas são sempre positivas. Quando queremos que as coisas corram bem, temos mesmo de pensar que elas vão correr bem. Trabalho para isso e penso sempre vai correr bem», defendeu a administradora da Villafelpos.

Além dos EUA, a Villafelpos está também a «tentar o mercado da África do Sul», indicou Cristina Galvão, destacando, contudo, que as metas passam pela consolidação, a curto prazo, e pelo crescimento, a longo prazo. «Queremos continuar a crescer. Não somos muito grandes a nível de dimensão, mas somos uma grande empresa a nível de equipa e de estratégia. Somos uma boa empresa e acho que se continuarmos nesta linha vamos chegar ainda mais longe», confessou a administradora da Villafelpos ao Jornal Têxtil.