Início Notícias Marcas

Volta ao mundo em 13 marcas

O fecho de ano presta-se aos mais diferentes balanços. Imbuído deste espírito, o jornal The Telegraph reuniu as novas marcas internacionais que se destacaram em 2015 e que vão certamente dar ainda mais que falar em 2016. Um périplo pelo mundo tendo a moda como guia.

França: Sézane – a nova retalhista online que os editores de moda mantêm em segredo

A primeira retalhista online francesa nasceu em 2013, chama-se Sézane e tem sabido conquistar o à-vontade do país em relação às compras em ambiente digital. A marca foi fundada pela designer parisiense Morgane Sézalory – “Sézane” é uma amálgama dos seus dois nomes – e apresenta uma coleção permanente que é complementada, todos os meses, com o lançamento de uma coleção cápsula que, depois de esgotar o seu stock, termina de forma efetiva, resultando numa certa exclusividade para quem adquiriu as peças (ver A chegada de Sézane).

Austrália: Senso – sapatos únicos que emprestam exclusividade

Fundada em 1980, a Senso é uma marca de calçado australiana originalmente fundada pelo casal Scarlett e Kim Meller. Os dois perceberam uma lacuna no segmento alto para o sector do calçado e lançaram aquela que é hoje uma das mais populares e emblemáticas marcas contemporâneas da Austrália.

As três filhas do casal Meller, Alicia, Imogen e Skye, juntaram-se ao negócio familiar. As jovens injetaram uma estética fresca e jovem à Senso, atraindo um novo público.

Escócia: &Daughter – malhas que fazem com que se adore o frio

A ex-relações-públicas de moda, Buffy Reid, convenceu o pai, um homem com mais de 50 anos de experiência na indústria das malhas e reformado à data, a realizar o seu sonho de desenhar malhas clássicas com uma silhueta moderna. Todas as peças são feitas com recurso a técnicas tradicionais, nas fronteiras da Escócia e na costa oeste da Irlanda.

Turquia: Manu Atelier – a marca de bolsas rainha do Instagram

Ao contrário das principais marcas geradoras de “It bags”, a turca Manu Atelier não apresenta preços inimigos das finanças ou uma estética replicada até à exaustão. Fundada por duas irmãs em Istambul, a marca é um verdadeiro negócio de família, sendo que o pai das jovens é um conhecido especialista na arte e possui uma fábrica de couro na cidade.

Ucrânia: Vyshyvanka by Vita Kin – a história de sucesso deste verão

As peças bordadas da designer Vita Kin esgotaram em apenas 30 minutos, depois de terem chegado à plataforma da Net-a-Porter este verão – um derradeiro sucesso para os coordenados escalados entre as 980 e as 1.600 libras (entre 1.600 e 2.000 euros, aproximadamente). Inspirados pela vyshyvanka, a blusa tradicional bordada da Ucrânia, Vita Kin imprimiu um toque moderno em vestidos e tops, e o resto é história.

Dinamarca: Gestuz – a marca da simplicidade escandinava

Perfeita para o guarda-roupa de todos os dias, a marca de Sanne Sehested eleva as peças básicas do pronto-a-vestir feminino graças à importância transferida para os detalhes, como mangas trabalhadas ou decotes dramáticos.

Suécia: Axel Arigato – sapatilhas minimalistas

A procura pelo calçado desportivo perfeito terminou quando os editores de moda descobriram a Axel Arigato. A marca desenvolve designs de homem e mulher em couro de estética minimalista e sofisticada.

Itália: Paula Cademartori – as bolsas coloridas das galerias de street style

Dramáticas, repletas de detalhes e, sobretudo, coloridas, as bolsas da marca italiana Paula Cademartori reúnem todos os detalhes que os fotógrafos de street style adoram. Como extra, a marca está agora a apostar em sapatos de igual estética.

Irlanda: Natalie B Coleman – a nova investida

Com experiência em criar narrativas fortes e romanceadas, a designer Natalie desenvolve looks femininos e contemporâneos para a marca epónima lançada em 2011, com especial atenção ao acabamento, aos tecidos e aos detalhes. As modelos Suki Waterhouse e Lily Cole e a cantora Mary J Blige constam no clube de fãs da marca.

Rússia: A.W.A.K.E – marca de passadeira vermelha

O nome A.W.A.K.E é um acrónimo para “all wonderful adventures kindle enthusiasm” (todas as aventuras maravilhosas atiçam o entusiasmo), e os designs estruturados de Natalia Alaverdian são seguidos de perto por nomes como Alexa Chung, Kim Kardashian e Elena Perminova. As peças “afirmação” de Alaverdian são um imperativo para aquelas que ousam vestir com impacto.

EUA: Mansur Gavriel – as bolsas com lista de espera

A Mansur Gavriel nasceu em Nova Iorque, em 2012, e a dupla Rachel Mansur e Floriana Gavriel, que toma conta dos seus destinos, é oriunda do design e têxtil. A marca responsável por uma das “It bags” do momento – feitas em couro com a qualidade da região italiana de Vêneto e com design minimalista – alargou este ano os horizontes e apresentou uma linha de calçado durante a Semana de Moda de Nova Iorque (ver As intermitências da Mansur Gavriel). A marca conquistou as amantes da moda em pouco tempo e as bolsas acabaram mesmo por esgotar nas lojas, sendo que atualmente é preciso entrar numa lista de espera, tamanha é a procura.

Grécia: Zeus + Aione – herança atualizada

A cofundadora Mareva Grabowski lançou a marca de pronto-a-vestir feminino em conjunto com Dimitra Kolotoura, em 2012. Com sede em Atenas, todas as peças são feitas por artesãos gregos e, sem surpresa, as blusas românticas e as calças de corte perfeito já chamaram a atenção dos compradores das plataformas de comércio eletrónico MatchesFashion e Net-a-Porter.

Portugal/ Reino Unido: Marques’Almeida – a marca “hot” da London Fashion Week

Desde 2009 que a dupla de designers portugueses Marques’Almeida tem trilhado o seu caminho de sucesso em Londres (ver Londres chama).

Marta Marques e Paulo Almeida iniciaram a sua incursão na moda em Portugal, no Ex-Citex (atual Modatex), tendo depois estagiado na capital britânica, no atelier de Vivienne Westwood (Marta) e na marca Preen (Paulo).

Os jovens designers acabariam por concluir os estudos na Central Saint Martins e, em Londres, ergueram a sua marca de pegada denim com inspiração nos anos 1990. Em 2011, integravam o calendário da London Fashion Week.