Início Arquivo

Wal-Mart “arruma” a casa

Com o objectivo de dinamizar o seu negócio de vestuÁrio, o retalhista americano Wal-Mart vai fechar dois departamentos na sua sede no Arkansas, eliminando dezenas de postos de trabalho e transferindo algumas outras dezenas para Nova Iorque. A renovação, que ainda não foi tornada pública, pretende reavivar um dos departamentos mais débeis das 5.000 lojas Wal-Mart: o vestuÁrio para homem, senhora e criança, um negócio de 30 mil milhões de dólares para o retalhista. Nos últimos anos, sob a direcção de Claire Watts, a empresa fez algumas tentativas num segmento de moda mais alto com colecções como a Metro 7 para senhora, tendo, para isso, criado novos departamentos para perceber as tendências e desenhar o vestuÁrio. Mas os consumidores rejeitaram claramente os novos visuais – e, em Julho, a Wal-Mart afastou Watts. Actualmente, a aposta passa mais pelo que os responsÁveis apelidam de peças-chave», como t-shirts simples e coloridas, em vez de colecções mais elaboradas. Esta mudança altera, efectivamente, a estratégia e a estrutura organizada por Watts. Por isso, num anúncio interno, a empresa revelou que irÁ encerrar os departamentos de desenvolvimento de produtos e de fornecimento, um anúncio confirmado pela porta-voz da empresa, Linda Blackley. O trabalho desenvolvido pelos dois departamentos vai ser transferido para outras unidades, como os departamentos de compras e de marcas. O departamento de compras ficarÁ na sede do Wal-Mart no Arkansas enquanto que o departamento de marcas serÁ em Nova Iorque, mais perto das casas de moda, dos fornecedores de vestuÁrio e das tendências de consumo emergentes. Queríamos uma estrutura em que os papéis estivessem claros e que nos permita pôr os produtos nas lojas o mais rÁpido possível», declarou Barkley. Com esta reestruturação, cerca de 30 trabalhadores serão deslocados do Arkansas para Nova Iorque, enquanto que dezenas de outros serão dispensados ou integrados noutras funções. Bill Dreher, analista do Deutsche Bank Securities, considera que o Wal-Mart reconheceu os problemas da sua anterior estratégia relativa ao vestuÁrio. Tentaram chegar mais longe – sozinhos, com poucos conhecimentos ou credibilidade na moda. Mas a sua estratégia não estava talhada para o sucesso», explica. Agora as suas aspirações em termos de moda são muito mais modestas». A reorganização, acrescentou Dreher, é muito importante, porque significa que o Wal-Mart pode finalmente acertar com o vestuÁrio». Uma ideia reforçada pelas declarações da porta-voz do grupo que revelou que o Wal-Mart quer apresentar as peças-chave com autoridade» e apostar mais no vestuÁrio com potencial de crescimento».