Início Arquivo

Walmart reforça e-commerce

O retalhista norte-americano Walmart vai vender produtos de outros retalhistas no seu sítio de comércio electrónico, como parte de um novo centro comercial on-line, designado por Walmart Marketplace. Neste espaço da Internet, encontram-se marcas de vestuário como Norma Kamali, Jordache, Signature by Levi Strauss e Riders, juntamente com as linhas de calçado da Aerosoles, Naturalizer e Dr. Scholl’s, entre o quase um milhão de produtos que foram adicionados à sua oferta on-line. A mercadoria vem de fornecedores, incluindo a CSN Stores (que vende produtos para lar, bebé, brinquedos, desporto e calçado) e a Pro Team, uma subsidiária da Dreams Inc., que vende roupas desportivas licenciadas. A Walmart tem também planos para iniciar parcerias com outros retalhistas ao longo do próximo ano, de forma a ampliar ainda mais a sua oferta no retalho virtual. No entanto, embora todas as compras sejam feitas através do Walmart.com, os retalhistas que vendem através do sítio de comércio electrónico vão gerir e dar apoio às encomendas, incluindo transporte e manuseamento, serviço ao cliente, trocas e devoluções. «Adicionámos quase um milhão de novos produtos à nossa oferta on-line, com a introdução do Walmart Marketplace, tornando ainda mais fácil para os clientes encontrarem o que querem, quando fazem compras no Walmart.com», revela Kerry Cooper, principal responsável de marketing no Walmart.com. «Trabalhar com retalhistas seleccionados, conhecidos pelo seu forte serviço ao cliente e grande oferta de novos artigos on-line, dá aos nossos clientes mais motivos para escolherem o Walmart.com quando fazem compras na Internet», acrescenta A Walmart defende que o seu novo sítio de comércio electrónico oferece aos clientes mais escolha e conveniência, permitindo-lhes comprar produtos adicionais de um grupo de retalhistas especialmente escolhidos. Embora isso possa ser verdade, o que não é referido é que a opção também leva o retalhista a entrar firmemente em território actualmente ocupado por gigantes rivais do comércio on-line, como Amazon.com e eBay. A Amazon, em particular, possui em stock milhares de produtos de calçado e marcas de vestuário no seu sítio epónimo, incluindo nomes como Adidas, Levi’s, DKNY e Wrangler, e ainda permite que determinadas lojas de destaque, como Macy’s, Land’s End e Target, apresentem os seus produtos. A expansão do Walmart.com irá também proporcionar às vendas do retalhista um impulso muito necessário, após a queda de 1,2% nas vendas do segundo trimestre. Embora a Walmart tenha beneficiado amplamente com a desaceleração económica global, com os clientes cada vez mais a afluírem aos retalhistas de desconto, necessita agora de trabalhar mais para fidelizar os clientes ganhos na sequência da desaceleração económica. Uma maneira de conseguir isto é através da construção do seu sítio como um destino por si, de modo a que os clientes não precisem de procurar para obter o melhor negócio. Em termos logísticos isto também funciona, com a Walmart a cortar custos em cada operação, mas sem a responsabilidade de efectivamente satisfizer a encomenda. A nova aposta da Walmart surge no momento em que o mercado de vestuário e calçado on-line está a sofrer uma remodelação, com as empresas a tentarem segurar a sua posição neste sector fundamental. Mais recentemente, a Amazon concordou em adquirir o retalhista de vestuário e calçado Zappos.com, num negócio que totalizou quase 850 milhões de dólares (ver Amazon compra Zappos).