Início Arquivo

Wolverine bem calçada

A Wolverine está há nove meses no processo de integração do antigo Performance + Lifestyle Group, que adquiriu com a Golden Gate Capital e a Blum Capital à Collective Brands em outubro do ano passado, por 2 mil milhões de dólares. «Estamos a funcionar como uma empresa com uma visão e um conjunto de valores e objetivos. De um modo geral, a integração está no caminho certo e não tivemos nenhuma grande surpresa», afirmou o diretor financeiro da Wolverine, Donald Grimes. O CEO da Wolverine, Blake Krueger, por seu lado, revelou que, desde a conclusão da transação, a empresa comprometeu-se com os seus parceiros internacionais para capitalizar com as oportunidades globais para as novas marcas, sublinhando que «estes esforços estão a começar a dar frutos». O grupo assinou cerca de 20 acordos de distribuição em mercados-chave de crescimento e espera que mais 15 a 20 programas entrem em operação na segunda metade de 2013. «O nosso foco e esforços para expandir a distribuição global destas marcas vão obviamente continuar durante os próximos anos», ressalvou Krueger. A Wolverine também começou a expandir os seus negócios diretos ao consumidor com as marcas recentemente adquiridas, tanto através de lojas convencionais como online. A Sperry Top-Sider opera agora 41 lojas de retalho, com planos para chegar a 50 lojas até ao final do ano. Os esforços para expandir a plataforma direta ao consumidor para um mínimo de 100 lojas nos próximos dois anos será alimentada por um novo design da loja Sperry, a ser lançado nos próximos meses, indicou Krueger. A Keds, que Krueger acredita ter sido vítima de uma elevada taxa de mudança de liderança e uma direção estratégica inconsistente ao longo dos últimos anos, tem efetuado progressos na expansão da gama de produtos e no número de ponto de venda, com foco no segmento das adolescentes e mulheres jovens. Comentando os planos de expansão para as suas marcas de calçado recentemente adquiridas, Krueger afirmou que a empresa tem um negócio crescente no mercado latino-americano. «As nossas marcas são muito fortes na América Latina, portanto esse é uma região importante para nós. A Ásia-Pacífico é, obviamente, também um foco importante, especialmente no que diz respeito às marcas Keds e Sperry», justificou Apesar da Wolverine «estar a adicionar muitos recursos» na América Latina e na Ásia-Pacífico, «não estamos a ignorar a EMEA [Europa, Médio Oriente e África] e algumas das oportunidades na Europa», enquanto o «mercado dos EUA continua a ser relativamente forte», acrescentou Krueger. A Wolverine também se manteve otimista sobre o seu desempenho no segundo trimestre, apesar de relatar uma queda de 13% nos lucros, como resultado das despesas relativas às aquisições. Krueger assegurou que «a procura dos consumidores pelas nossas marcas em todo o mundo nunca foi tão forte, o que é muito encorajador, dado o fato de estarmos a viver um período económico difícil». O Heritage Group, que inclui Wolverine, Cat Footwear, Bates, Sebago, Harley-Davidson Footwear e HyTest, registou uma ligeira queda na receita, para os 110,6 milhões de dólares. Olhando para o futuro, o grupo mantém a previsão de que as receitas para o ano inteiro aumentem entre 6,0% e 8,9% para os 2,7 a 2,78 mil milhões de dólares.