Início Arquivo

Yamamoto não resiste

A casa de alta-costura japonesa Yohji Yamamoto, criada em 1972 pelo estilista homónimo, anunciou ter dado entrada num processo de protecção à bancarrota (“Minji Saisei”, na designação do Japão) junto do Tribunal de Comércio de Tóquio. As actividades, contudo, prosseguirão com a ajuda de um parceiro financeiro. «é brutal, mas informamos que a nossa empresa pediu ao Tribunal de Tóquio para ser colocada em administração judicial», explicou a empresa em comunicado, assinalando, contudo, que as filiais no estrangeiro não são visadas. Esta casa de renome, que faz muitas peças de vestuário de luxo sob as marcas Yohji Yamamoto, Y’s, Y’s for men, entre outras, revelou ter visto o seu volume de negócios cair devido à crise económica. Foi também penalizada pela valorização simultânea da moeda japonesa, um fenómeno que minimizou o seu volume de negócios proveniente do exterior. «Apesar dos nossos esforços para diminuir os custos, chegamos ao ponto em que nos é difícil prosseguir as nossas actividades sozinhos, devido a um sobre endividamento e a uma situação financeira agravada pela conjuntura», reconheceu a empresa. A dívida atinge os 6 mil milhões de ienes (45 milhões de euros). A casa, da qual Yohji Yamamoto se mantém como principal criador, manterá «normalmente» as suas operações e espera recuperar rapidamente para uma situação normal. A empresa firmou um acordo financeiro com o investidor “Integral Corporation”, uma empresa de investimento muito reputada no Japão, que deverá permitir reforçar a casa de moda. AYohji Yamamoto Inc continuará a sua actividade de venda a retalho através das suas lojas e assegurará as vendas e entregas para os compradores de lojas multimarcas e department stores, sob o controlo do tribunal e do administrador que será designado. «Estamos confiantes na possibilidade de nos pormos de pé rapidamente com a ajuda da Integral no plano das finanças e da condução dos negócios», assegurou a empresa. O vestuário Yohji Yamamoto, muitas vezes com formas assimétricas e que joga com os comprimentos, seduziu o mundo da moda, tendo desfilado nas capitais de moda internacionais, à imagem de Kenzo, Hanae Mori ou Issey Miyake.