Início Notícias Vestuário

Zara e Mango comprometidas

Depois da linha “Join Life”, lançada pela arquirrival Zara em setembro último, a contraproposta da Mango foi recentemente apresentada com o nome “Mango Committed”. A retalhista espanhola compromete-se assim com a utilização de materiais sustentáveis numa coleção-cápsula para homem e mulher.

A coleção “Mango Committed” propõe 25 peças de mulher e 20 peças de homem, nas quais predominam as silhuetas minimalistas e os volumes geométricos. Os materiais privilegiados na coleção – como o algodão orgânico e reciclado, o poliéster reciclado e o Tencel – são amigos do ambiente e tingidos com recurso a corantes de baixo impacto ambiental, numa paleta neutra.

Segundo a retalhista espanhola, «todos os artigos da coleção contam com certificados internacionais» que garantem o seu aprovisionamento sustentável e as peças apostam numa produção de proximidade em Portugal, Marrocos e Turquia.

Esta coleção sustentável estará disponível a partir de março em lojas selecionadas e no portal de comércio eletrónico da Mango. Em território nacional, a “Mango Committed” vai chegar a mais de 40 lojas a partir do dia 6 de março.

No ano passado, a marca originária de Barcelona lançou o projeto “Take Action”, que engloba todas as ações que visam a criação de um modelo de negócio com critérios sustentáveis e processos com impacto ambiental reduzido. O lançamento desta coleção está integrado nesse projeto. A Mango assegura ainda que todas as peças de vestuário com couro e pelo são produzidas respeitando os direitos dos animais e que nunca são usadas espécies exóticas, selvagens ou ameaçadas.

Em 2015, a marca lançou também um projeto para receber vestuário e calçado usado em lojas selecionadas e, desde então, recolheu uma tonelada de peças.

Já a Zara, que apresentou a linha “Join Life” no passado mês de setembro (ver As boas novas da Zara), voltou recentemente a surpreender as seguidoras com a chegada da nova coleção às lojas e ao website da marca.

A linha “Join Life” é produzida a partir de materiais que respeitam o bem-estar animal e o meio ambiente e o algodão orgânico, a lã reciclada e o liocel servem de pilares às propostas. Agora, peças como tops cropped, jumpsuits e camisolas com pormenores nos ombros em cores neutras renovam o compromisso da marca do grupo Inditex para com a redução do seu impacto ambiental.

Mantendo a sua estética casual e minimalista, a Zara apresenta o upcycling como um dos destaques da nova coleção. O processo, que transforma desperdícios têxteis em novas peças de vestuário, além de ajudar a reduzir o desperdício – à margem da coleção, os consumidores estão também a ser encorajados a devolver artigos de vestuário que já não usem nas lojas da retalhista de forma a serem reciclados –, utiliza menos água e energia para a produção dos artigos.

Na nova coleção da Zara também foram incluídas técnicas de reciclagem tradicionais, em que os resíduos têxteis são triturados e misturados com fibras puras para criar novos tecidos. Até agora, assume a retalhista do grupo Inditex, «apenas uma parte da roupa em segunda mão pode ser transformada em novos tecidos», mas a Zara garante estar «a trabalhar com entidades como a Caritas, Cruz Vermelha, o MIT e os seus fornecedores» para encontrar as tecnologias necessárias para o desenvolvimento de novas fibras têxteis a partir de vestuário reciclado.

A linha, bem como o conceito e as iniciativas que a orbitam, é parte de uma estratégia mais ampla do grupo fundado por Amancio Ortega para assegurar que todos os processos – dos fornecedores às lojas – sejam ambientalmente conscientes.

Em julho último, a empresa assinou um acordo exclusivo com a produtora de fibras Lenzing para a fabricação de matérias-primas premium a partir de excedentes têxteis, como parte do compromisso da gigante da moda espanhola para com a economia circular. A medida faz parte do novo Plano de Estratégia Ambiental 2016-2020 do grupo Inditex.