Início Notícias Tecnologia

Zinco combate vírus

A tecnologia à base de zinco da Ion Manufacturing cria uma microcorrente na superfície do tecido que consegue destruir completamente os patógenos virais, incluindo o vírus da gripe sazonal e o coronavírus. A inovação demonstrou uma eficácia de 99,7%.

[©Pixabay Tumisu]

A fibra ZnTech da Ion Manufacturing interage com a humidade exalada e o oxigénio ou com o oxigénio da superfície da pele para gerar a microcorrente. O campo elétrico é criado sem fios ou qualquer bateria externa e mantém a sua corrente, apesar de lavagens repetidas, refere a empresa, que destaca que as propriedades antivirais da máscara ZnTech diminuem drasticamente a transmissão de gotículas infeciosas exaladas para o ambiente à volta, ao mesmo tempo que oferece proteção aos que usam a fibra.

A Ion, fundada por Scott Scheftel, Jeff Skiba e Daryl Ross com o objetivo de integrar funcionalidades de saúde e bem-estar em vestuário, já usa a tecnologia de zinco na sua linha Ion Sportswear, que gera a estimulação de microcorrentes quando em contacto com a pele. Os benefícios incluem, alegadamente, a redução localizada da transpiração, melhor fluxo sanguíneo, maior oxigenação dos tecidos e eliminação dos resíduos celulares, melhor produção de colagénio e alívio da dor.

Pensada para uma utilização têxtil abrangente, a ZnTech tem como potencial uso os equipamentos de proteção individual (EPI) e tecidos, tanto para profissionais de saúde como para o consumidor final. O zinco é um elemento seguro e não-tóxico, o que o torna adequado para aplicação em materiais que são colocados diretamente sobre a pele e à frente da boca e nariz, explica a empresa. «Os concorrentes no mercado usam frequentemente revestimentos de outros metais, como cobre e prata, nenhum dos quais é capaz de gerar a microcorrente essencial para eliminar coronavírus», sublinha.

[©Pixabay Leo2014]
«A nossa pesquisa em estimulação por microcorrentes tem estado focada em vestuário de compressão antibacteriano interativo para alívio da dor e recuperação no desporto», revela o sócio-fundador da Ion Manufacturing e coinventor da ZnTech, Scott Sheftel.

«O recente surto de coronavírus criou uma necessidade crítica de inovação antiviral, por isso testar a nossa tecnologia tornou-se uma prioridade. Os resultados mostraram imediatamente que era extremamente eficiente a matar coronavírus, o H1N1 (gripe suína) e o H3N2 (gripe sazonal), demonstrando oportunidades entusiasmantes e promissoras para o futuro de EPI wearables», afirma Sheftel, acrescentando que «esperamos que a sua utilização enquanto ferramenta antiviral permita salvar vidas e criar um ambiente mais seguro para as nossas comunidades e para as nossas crianças».

O tecido ZnTech foi testado pelo laboratório Pharma Services e demonstrou taxas de sucesso de 99,7%.